quarta-feira, 31 de julho de 2013

Desecrated Sphere – “Emancipate” – 2013 – Eternal Hatred Records (Nacional)

O Desecrated Sphere surgiu em 2011 e meteoricamente, no mesmo ano, soltou seu primeiro álbum, o magnífico “The Unmasking Reality”. Surpreendendo a todos com seu Death Metal técnico e encorpado, a banda consolidou seu nome no cenário nacional rapidamente e na primeira metade de 2013 deixou sua marca em uma turnê europeia.

“Emancipate”, desde que começou a ser gravado, tinha a difícil missão de superar seu antecessor e se não conseguiu, no mínimo se igualou àquele que foi um dos melhores lançamentos de 2011. Apesar de mais direto, o novo trabalho não deixa a técnica apuradíssima da banda de lado e atinge todas as expectativas.

Riffs e solos, a cargo de Rubens Fraleone e Gustavo Lozano, muito bem elaborados e executados com maestria se aliam às excelentes e complexas linhas de baixo de José “Motor” Mantovani, que vem se destacando como um dos melhores baixista do estilo no país, como toca! A bateria de Saulo Benedetti mantém a pegada certeira e Renato Sgarbi vomita seus guturais com um pouco de variação pro rasgado.

A primeira pintura do álbum surge com Departure From Flesh. O riff inicial e a levada cadenciada são sensacionais, pra depois descambar pra uma porrada insana com leves quebradas. Linking Opposites (Demystifying Ormudz And Ahriman) mostra como a dupla de guitarristas estava entrosada com solos típicos do estilo e um pouco de melodia.

Leaders Of Babylon é o carro chefe do disco (veja o lyric video no final da resenha) e mostra Renato variando um pouco mais nos vocais. Ainda é bom mencionar a ótima instrumental Eçá que fecha o disco com chave de ouro. Tanto a produção gráfica como a sonora ficaram ótimas e “Emancipate” sem dúvidas está na lista de melhores do ano. Vale lembrar que a banda sofreu uma reformulação após o lançamento do álbum, sendo que o batera Saulo e o guitarrista Rubens saíram da banda. Apenas o primeiro foi substituído por Rodolfo Bassani que voltou ao Desecrated Sphere.


9,0

Vitor Franceschini


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Shinigami Records