sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Entrevista



Praticamente desconhecidos aqui no Brasil, os franceses do Order Of 315 não inovam apenas no nome. A banda alia em seu som, gêneros diversos do Metal com foco no Stoner, Metalcore e Prog Metal. O resultado está no primeiro disco da banda, "Near-Birth Experience" que foi lançado em 2011. Conversamos com o vocalista Edgar Jabberwocky e com o guitarrista K3 sobre vários aspectos que envolvem a banda. Completam o time Giovanni R. Baldini (baixo) e Pablo Civil (bateria).

Conte-nos um pouco sobre como se formou o Order Of 315 e qual o real significado por trás do nome da banda?
K3: Um dos significados do nome da banda é a antítese do Pi. Através dos tempos, o valor de Pi variou muito, mas nunca ultrapassou 3,14! Foneticamente 3,15 foi a melhor opção! Outro significado é encontrado em numerologia é que 315 significa 9, "Ordem de 9 = os nove incógnitas", investigo muito esse tipo de assunto, acho muito interessante.

Edgar Jabberwocky: Somos apaixonados por História e Numerologia, o enigma está dentro dessas duas áreas. Nós gostamos da ideia de ter mais de um significado, mas também e acima de tudo, temos que manter as coisas em segredo!


Como foi o processo de composição de “Near-Birth Experience”?
K3: O processo de composição ocorreu durante o período de um ano. Entre meados de 2010 e 2011. As músicas foram compostas primeiro, depois Edgar entrou com as letras e linhas melódicas. Depois com a gravação cumprimos nosso processo criativo, com grandes parcerias e novas ideias.

E.J.: Foi necessário um período de maturação caracterizado por mudanças sucessivas e um monte de testes ... embora diretrizes muito claras apareceram para cada faixa.


Qual o conceito por trás do título do álbum?
E.J.: “Near-Birth Experience” fala da possível importância do nascimento da psique humana. Em 1910, Freud foi um dos primeiros a perceber que o trauma do nascimento é uma marca central no fundo da psique: O nascimento é, de fato, o primeiro de todos os perigos para a vida, bem como o protótipo de todas as posterioridades daqueles que temem. Esta experiência, provavelmente, deixou sua marca por trás dele em que a expressão de emoção que chamamos de ansiedade. E nossas sociedades estão cheias dessa ansiedade.



K3: O conceito da vida! Como seres humanos, todos nós viemos a este mundo incompletos. A experiência de quase-parto é um nexo mental, criada entre a mãe e seu filho ainda não nascido! O conceito do álbum é que grandes coisas ainda estão por vir, como estamos evoluindo como músicos, compositores e produtores...


A sonoridade do álbum se mostra bem versátil e alternativa. Sei que bandas não gostam de falar de rótulos, mas como vocês se definiriam musicalmente?
E.J.: Nós não gostamos de superfícies lisas e curvas suaves, nós preferimos arestas e ásperas!

K3: A banda e o álbum foram concebidos em última instância, em uma fria identidade. Fria eu quero dizer sobre uma parede de som em que o ar não pode se inclinar e manter-se. Isso é musicalmente um conceito.


As linhas de guitarra, tanto nas bases, quanto nos solos se mostram bem técnicas. Fale-nos um pouco sobre isso.
E.J.: K3 pode falar sobre isso melhor que eu!

K3: Guitarras são as paredes criando a casa. Os riffs surgiram naturalmente. A bateria teve um grande impacto na definição das guitarras, já que ajudou a se concentrar no que era essencial para as canções! Quanto aos solos, foram criados como uma canção dentro da canção, como uma boneca russa. Sem ser pomposo, como disse Aristotele, ‘3 seções é a regra, por isso está aqui’. Os solos devem levar o público a um patamar mais elevado, pelo menos.



Aliás, a banda se mostra bem técnica com uma excelente variação rítmica. Vocês acreditam que isso faz com que o som de vocês não soe limitado?
K3: Este é o som que define o Order Of 315 atual. “Near-Birth Experience” é o primeiro passo neste mundo para o Order Of 315. À medida que crescemos como músicos e seres humanos, o processo criativo levará o nosso som para um nível superior de consciência como músicos e compositores e produtores em última instância. O som do segundo álbum será bastante diferente deste, a segunda vinda marcará a idade de realização do que aprendemos ao longo do processo de “Near-Birth Experience”.

E.J.: Não há nada a acrescentar, nada é imutável: vamos tomar o cuidado e o tempo necessário para amadurecer plenamente!


Isso também pode ser notado nos vocais de Edgar Jabberwocky que possuem ótimas variações soando sutis em alguns momentos e agressivos em outros.
E.J.: Eu não poderia me entregar muito e tive que manter o equilíbrio entre os dois vocais. Não há necessidade de proporção entre o canto limpo e agressivo, apenas a vontade para expressar palavras e sentimentos como eles vêm. Eu tinha que gritar, literalmente, sem me preocupar muito com efeitos vocais. É necessário espontaneidade, mesmo se você tem que repetir uma e outra vez até que a gravação fique ok!

K3: Verdade! Guitarras criam a casa e os vocais de Edgar convidam o público a entrar na casa. Ele molda o material todo como um escultor com sua espátula. O processo de gravação criativa para os vocais foi exaltar como entendemos esse tipo de voz que define a identidade do Order of 315.


A produção sonora do trabalho, a cargo do guitarrista K3, ficou em um bom nível, mas deixou o som um pouco sujo. Isso foi proposital?
E.J.: Desde o Black Sabbath, passando por Black Label Society, Eyehategod, Downand, entre outros, eu sempre fui fã dessa sonoridade distorcida, e esse tom baixo e sombrio.  Desde a primeira audição sabíamos que esse som especial seria mantido de alguma forma. Foi muito mais do que uma opção, uma boa maneira de "assinar" o nosso som.

K3: Verdade! Minha principal influência é o “...and Justice For All” (N.E.:álbum do Metallica lançado em 1988), sempre procurei por aquele som seco. Ter Flemming Rasmussen a bordo não seria só uma honra, seria evidente para o todo o conceito de “Near-Birth Experience”. A sujeira é o conceito básico do álbum, uma criança recém-nascida é suja. Como ela cresce, ela é educada, sua sujeira, eventualmente, diminui. Para mim, o conteúdo é mais importante do que a forma de “Near-Birth Experience”, ele não teria feito nenhum sentido intelectual, se o som tivesse sido polido!


Como tem sido a repercussão de “Near-Birth Experience”?
E.J.: Os comentários a cerca do álbum tem sido bem comuns, de uma forma ou de outra. O que mais têm encontrado é a dificuldade em definir nossa música, o que torna nosso álbum de estreia difícil de ser classificado.

K3: Até agora, uma mistura de sentimentos, com uma maioria de comentários positivos. Em termos de vendas, como somos independentes, até agora, nos aproximamos de algumas centenas de trabalhos vendidos. Uma grande gravadora se aproximou de nós, na verdade, o que é estranho, considerando o tipo de música do Order of 315, mas para o bem da nossa alma que não pode ser limitado em nossa arte assim, obviamente, ajudaria muito! Um impacto importante para nós é saber que a banda não é fácil de se rotular ... eu gosto dessa ideia!


Como está a agenda de shows da banda, os planos para 2013?
E.J.: Nada de turnês no momento, estamos fazendo alguns shows aqui e ali para apresentarmos nossa música a um público de pequeno a médio porte.

K3: Muito bem até agora, nosso próximo show será em Paris no dia 4 de agosto. Estamos tocando bastante em Paris, já que não temos uma estrutura apoiando a banda para nos levar para outras cidades ou países. Mas isso virá, obviamente!


Podem deixar uma mensagem brasileiros!

E.J.: Karma, Angra, Nailbomb, Symbols, Henceforth, Sarcofago, Sepultura... muito obrigado por tudo o que têm contribuído para Metal! Nós realmente esperamos que nos próximos anos, podemos estar diante de vocês.

K3: Junte-se ao Order Of 315 e nos ajude a levar sua música favorita ao seu belo país!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Shinigami Records