quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Entrevista



Tendo em sua linha de frente duas guerreiras do Metal nacional, a dupla Flávia Morniëtári (vocal) e Mirella Max (guitarra), a HellArise atualmente conseguiu atingir o valor estipulado pela Catarse (site de financiamento coletivo) para o lançamento do EP “Functional Disorder” (2013). Lançado anteriormente de forma virtual, o trabalho superou as expectativas e mostrou uma banda ainda mais agressiva e determinada. Completada por Kito Vallim (baixo) e Felippe Max (bateria), a HellArise agora busca alçar voos mais altos e atingir seu ápice. Falamos com Mirella e Flávia, que sem ‘embromação’ explicaram tudo que envolve “Functional Disorder” e muito mais.

“Functional Disorder” foi lançado inicialmente somente de forma digital. Recentemente o álbum foi aprovado pela Catarse (site de financiamento coletivo) para ser lançado no formato físico. Desde que lançaram o trabalho, já pensavam em lançar o trabalho em versão física um dia, mesmo não sendo com o financiamento coletivo?
Mirella: Sim, definitivamente! Só não sabíamos como faríamos, na época.

Como foi ver o apoio dos fãs neste projeto que, apesar de vir crescendo no país, ainda é visto como ousado por muitos?
Mirella: É muito gratificante ver que as pessoas apoiam a banda e apreciam o nosso trabalho. De certa forma, foi um projeto ambicioso, com uma quantia alta pra ser atingida em muito pouco tempo. Então não poderíamos estar mais felizes com o resultado.


Indo para o lado musical do EP, “Functional Disorder” mostra a banda mais agressiva que na demo “Human Disgrace” (2010). Vocês concordam?
Mirella: Sim, definitivamente! Eu e a Flávia tendemos a pender para o lado mais “pé na porta” da coisa, e como só havia sobrado a gente na banda, as músicas não poderiam ter saído de forma diferente. (risos)

Essa maior agressividade foi intencional? Além disso, qual a principal diferença que vocês veem entre o EP e a demo anterior?
Mirella: Acho que foi mais instintiva do que intencional. Pra mim, a principal diferença entre os dois trabalhos, é que dessa vez, como sou eu que estou na guitarra, tive mais liberdade pra compor do meu jeito, sem interferência de terceiros nesse quesito. E claro, as composições evoluíram muito com as experiências ganhas desde então. Três anos é bastante coisa, e certamente aprendemos muito nesse intervalo de tempo.

Essa agressividade se mostra principalmente nos riffs de guitarra.
Mirella: É, eu sou uma pessoa meio estúpida. (risos)

Outro fator que chama atenção são os vocais de Flávia, que também estão mais ‘nervosos’ que anteriormente. Mas isso não se resume apenas a isso. É interessante notar que mesmo com a agressividade do vocal, o timbre de Flávia não perde a feminilidade, fato raro hoje em dia. O que pode nos falar a respeito?
Flávia: Com o passar do tempo, e depois de muito estudo e pesquisa, acabei desenvolvendo a minha própria forma de cantar. Criei uma identidade vocal, mesmo por ser a forma mais confortável de cantar pra mim.

A faixa More Mindless Violence foi lançada como single antes do EP e também virou vídeo clipe. Por que escolheram-na como música de trabalho e como foi gravar o vídeo?
Flávia: A história dessa música é engraçada: eu cismei que eu ia escrever uma música com esse nome, e anos depois isso acabou acontecendo, e colocamos a ideia em prática. Usamos ela como single por ser uma música mais direta e de fácil assimilação.


E como o trabalho repercutiu enquanto era apenas virtual? Houve resposta de algum país estrangeiro especificamente?
Flávia: Houve resposta sim, mas de vários lugares. Tanto houve procura pelo material que tivemos que ir atrás da versão física.

E como está os planos para o lançamento do debut? Podem adiantar algo?
Mirella: Fechando esse ciclo, começaremos finalmente a compor músicas novas, e como queremos fazer algo mais elaborado e bem produzido, ainda não temos previsão de lançamento. Temos muitas ideias mirabolantes que queremos tirar do papel, mas isso leva tempo e trabalho. Só posso adiantar que, novamente, faremos algo diferente do que já fizemos.

Como está a agenda de shows para 2014?
Mirella: Temos já duas datas confirmadas pra abril e maio, e mais algumas outras pra confirmar. A agenda está aberta pra quem tiver interesse de chamar pra algum evento.

Muito obrigado pela entrevista. Podem deixar uma mensagem para nossos leitores!
Mirella: Primeiramente agradeço o espaço cedido pelo Arte Metal, e queria também deixar um grande obrigado a todos os que apoiam a banda. Sei que é clichê falar isso, mas sem esse apoio não teríamos chegado aqui!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Shinigami Records