sexta-feira, 28 de março de 2014

Lusferus – “Black Seeds Ov Obscure Arts” – 2013 – Eternal Hatred Records (Nacional)

O fato de ter conhecido a cena de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, há mais de 10 anos atrás fez com que me surpreendesse ao ouvir esta banda oriunda da ‘Califórnia brasileira’ e, ainda mais, saber de que se trata de seu segundo full-lenght e terceiro lançamento se contarmos o EP de estreia.

Não surpreende somente pela qualidade, mas também pelo fato de ver uma banda de Black Metal vindo de lá, já que a cena local sempre teve ótimos nomes do Thrash Metal e muito pouco do gênero mais diabólico do Metal.

Indo para a música, que é o que realmente importa, vemos uma banda agradabilíssima, que sabe onde pisa e se mantém atualizada em relação ao estilo que propõe. Há muito tempo o Black Metal vem tomando uma forma mais encorpada e as bandas do estilo têm investido em sonoridades mais trabalhadas e bem produzidas, e este é o caso do Lusferus.

As guitarras bem trabalhadas de Solrac e Goehrnis (também vocalista) é o diferencial da banda, fugindo da sonoridade ríspida e aguda, típica do estilo, mas que mantém a agressividade característica. Os solos, de certa forma simples, também estão muito bem encaixados e mostra uma banda preocupada com a estética de suas composições.

Não muito atrás, vem uma cozinha consistente que ajuda e muito na variação rítmica que é outro fator adotado pelos atuais grupos de Black Metal mundo afora. Uma leve veia Progressiva se faz presente, mas nada que fique totalmente evidente ou que torne o som cansativo, pelo contrário, essa pegada com algumas quebradas e mudanças de ritmos, faz com que o som não seja enjoativo e cative ainda mais o ouvinte.

Não é preciso dizer que Goehrnis possui um vocal rasgado típico e de muita qualidade que é auxiliado pelos ‘belos’ backings guturais que caíram como uma luva. Tudo com uma ótima produção, que foge da linha plastificada dando um ar mais ‘vintage’ ao trabalho. Que grata surpresa, pelo menos para esse que vos escreve.


8,5

Vitor Franceschini



Um comentário:

Shinigami Records