quarta-feira, 24 de junho de 2015

InteraBanger: Paradise Lost



A seção InteraBanger do Blog Arte Metal, além de procurar inovar e tirar o veículo de certa rotina, tem o intuito de interagir com o leitor, músicos e especialistas no assunto sobre álbuns polêmicos ou não de bandas já consagradas e relevantes. Outros assuntos relativos às bandas ‘mainstream’ também serão comentados esporadicamente.

“The Plague Within”, 14º álbum de estúdio do Paradise Lost, foi precedido por uma grande expectativa após o lançamento de um lyric video e um clipe. Dando as caras que retornaria às ‘antigas’, os ingleses trouxeram um álbum que praticamente resumia a sua carreira toda. Os comentários foram os mais diversos.

“Surpreendente! Fazia tempo que o Paradise não lançava um disco tão instigante e tétrico. Sem contar que o Nick Holmes lembrou que tem um dos vocais guturais mais fodas de todos os tempo. Bom pra caralho.” (Vitor Caricati, guitarrista da Seattle Dead Idols - https://www.facebook.com/seattledeadidols?fref=ts)

“Voltando às origens! Uma pegada bem mais voltada ao Doom/Death, um dos melhores desde “Draconian Times” (1995) e “In Requiem” (2007)! Impressionante!” (Carlos Henrique Botelho, leitor – São Luis/MA)

“Quando o Metallica lançou o “Death Magnetic” (2008) eu pensei: ‘Porra... eles poderiam ter lançado esse disco depois do ‘Black Album’. No caso do Paradise Lost pensei o mesmo: ‘Esse poderia ter sido lançado depois do “Shades of God” (1992).” (Tocha Alberto, Alone Stale - https://www.facebook.com/AloneStale?fref=ts)



“Riffs melancólicos e sombrios combinados com os vocais rosnados (alternando com algumas vocalizações limpas), um pé muito bem fincado no passado Death/Doom da banda e o outro no presente. É um dos grandes discos da carreira do Paradise Lost, e, muito provavelmente, o trabalho mais forte dos ingleses desde o clássico “Draconian Times”, onde com uma segurança absurda a banda mostra que atingiu definitivamente a maturidade!” (Vicente De Albuquerque Maranhão, Hell Divine e Rock Meeting - https://www.facebook.com/helldivine?pnref=lhc / https://www.facebook.com/RockMeetingOfficial?pnref=lhc)

“É um bom álbum. Mas se não tivesse o nome "Paradise Lost" na capa, passaria batido. Muito se fala de um "retorno às raízes", mas eu senti muita falta daquele esquema "guitarra base + guitarra solo" (muito explorado no “Gothic” (1991), repetido com louvor pelo Amorphis em "Tales..." (1994)). Com as duas guitarras fazendo a mesma coisa em boa parte do tempo perde-se muito em "profundidade musical". (Joab Farias, vocalista da Uncaved - https://www.facebook.com/uncaved?fref=ts)

“O Paradise Lost parece querer resgatar a antiga sonoridade, aquela calcada no Death/Doom característica, e parece ter sido acertada essa decisão. Um álbum denso, pesado, melancólico e agressivo como os bons discos do estilo precisam soar. Grande trabalho que merece uma conferida!” (Ricardo Leite Costa, colunista do Música e Cinema - http://musicaecinema.com/)

“Eu sou suspeita pra falar qualquer coisa acerca do PL, mas achei o álbum uma mistura bem homogênea das coisas antigas (vide “Gothic”, “Icon” (1993), “Draconian Times”) e novas da banda. Em especial, achei a parte melódica MUITO ‘trampada’ pelo sr. Mackintosh - que nunca deixa a desejar.” (Jéssica de Araújo, leitora – São José dos Campos/SP)

“Gostei! Achei que nesse álbum eles conseguiram colocar na sonoridade muitas coisas da fase antiga da banda com uma mistura dos álbuns mais atuais! O resultado ficou bom eu achei! Mais não chega a ser como os clássicos como “Shades of God” e “Draconian Times”! (Heberson, vocalista e guitarrista da Open Scars - https://www.facebook.com/pages/Open-Scars/703211109763754?fref=ts)

“Se você reparar bem, músicas como An Eternity of Lies e Beneath Broken Earth são músicas de enorme carga sentimental. Tanto na melodia quanto na letra. Paradise lost me surpreendeu com esse álbum. Uma das melhores capas que já fizeram é a desse álbum (apesar de as outras capas serem horríveis). Certamente vou comprar um exemplar pra mim.” (Anderson Quintino, vocalista e tecladista da banda Contempty - https://www.facebook.com/Contempty?fref=ts)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Shinigami Records