quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Entrevista: Justabeli



Retornando como um trio formado por War Feres (vocal/baixo), Marcelo Furlanetto (bateria) e Blasphemer (guitarra), a banda Justabeli mostra um salto gigantesco de qualidade com seu novo trabalho “Cause the War Never Ends...”, lançado este ano pela Mutilation Records. Conversamos com War Feres, o mentor por trás do power trio, sobre o novo trabalho, o hiato de sete anos que a banda ficou meio que adormecida, além de outros assuntos a envolvendo nesta entrevista a seguir.

Primeiramente o que aconteceu para a Justabeli ficar fora de cena durante praticamente 7 anos?
War Feres: Tirando a falta de grana, estrutura e outros, o principal motivo desse longo intervalo foram as inúmeras mudanças de formação. Se dependesse se só de mim, este CD já tinha sido lançado há muito tempo(risos). Pensando nisso eu resolvi tomar a frente em absolutamente tudo na banda e a partir daí, em 2014, as coisas começaram a acontecer rapidamente, pois as atividades de uma banda não consistem só em ensaiar, você tem que compor, gravar, fazer contatos, divulgar, pensar em uma arte para o CD e etc... Como em toda organização, ela precisa de um líder, em uma banda não é diferente. Hoje tenho um ponto de vista totalmente profissional dentro do Justabeli, penso que um soldado desmotivado pode contaminar os outros, antes que isso aconteça, este deve seguir outro caminho...

A banda voltou como um trio com dois novos integrantes, Marcelo Furlanetto (bateria, ex-Centennial, Endless War) e Blasphemer (guitarra, Sardonic Impious). Como foi o retorno e como se deu as entradas de Marcelo e Blasphemer?
War Feres: Quando decidi retomar as atividades da banda, antes do Blasphemer entrar no Justabeli, eu procurei o Victor Prospero e fiz o convite, deixei bem claro qual era a minha ideia, terminar de compor e gravar. E ele me passou suas condições, que seria um prazer me ajudar e que já sentia vontade de tocar no Justabeli, porém não conseguiria conciliar uma rotina de ensaios e shows. Sendo assim, eu já sabia que não poderia contar com ele para essas atividades... Mesmo assim, fizemos três shows tocando ao lado de grandes nomes como, Ocultan, Mystifier, Sardonic Impious, Morte Negra, Krisiun e Rotting Christ. Fiz alguns testes com outros guitarristas, mas de todos, o que mais tinha a cara da banda era o Blasphemer, além de ser um músico experiente, é pontual, dedicado, tem um bom equipamento e postura, que pra mim é o mais importante, aquele sangue nos olhos para tocar, pois isso não é só música, tem que correr nas veias. O mesmo também gosta de compor e isso é muito bom para uma banda. Antes disso, o Victor já tinha me apresentado o Furlanetto. Estou muito feliz com esta formação, e espero que dure... (risos)


Quando a banda começou a compor o segundo disco “Cause the War Never Ends...” (2015)? Há músicas de longa data ou o trabalho de composição se iniciou após o retorno do Justabeli?
War Feres: Eu já tinha algumas coisas prontas quando juntei minhas ideias com as do Victor (o mesmo tem uma bagagem musical muito boa teoricamente falando e isso ajudou muito...), a Infected By Radiation, por exemplo, é uma música antiga, ela deveria ter sido gravada no “Hell War” (debut de 2008), mas sairia mais caro e nosso dinheiro tinha acabado, ficou de fora... (risos).

O disco traz um salto de qualidade tanto na produção quanto nas composições enorme. Isso se deve ao fato de terem ficado parados por algum tempo? Enfim, esse hiato ajudou no amadurecimento?
War Feres: Acho que a evolução de uma banda acontece de forma natural, musicalmente falando... Mas este álbum foi tratado desde o inicio como uma coisa muito especial, eu queria fazer de tudo para que ficasse com a melhor qualidade possível em todos os sentidos e o Victor abraçou essa causa... Lapidamos riff por riff, até que ficasse de um jeito que agradasse a todos, tudo feito com a maior dedicação. Na produção o Victor se empenhou muito, passando noites sem dormir trabalhando no disco, a produção final ficou por conta do Marcos Cerutti e eu opinando sempre.


De qualquer forma o primeiro disco “Hell War” (2008) traz composições de ótimo nível. Quais as principais diferenças e similaridades você vê entre o debut e “Cause the War Never Ends...”?
War Feres: Tecnicamente falando, a diferença é notável, na época que gravamos o “Hell War” não tínhamos nenhuma experiência, erros que foram cometidos não se repetiram no “Cause The War Never Ends...”. Mas na a essência continua a mesma, a fúria e o ódio na hora de tocar não mudou, só aumentou e continuamos mais satânicos do que nunca, por isso o nome “A GERRA NUNCA ACABA...”.




Uma das coisas que chama atenção na sonoridade do novo álbum é como vocês conseguem manter a rusticidade característica do som da banda com uma roupagem atual. Fale-nos um pouco a respeito disso.
War Feres: Como já disse a essência é a mesma, a diferença que hoje somos profissionais e é claro que a experiência ajuda muito.



Um pouco de melodia também é encontrada nas novas composições. De qualquer forma isso não tira a brutalidade do trabalho. Isso é algo natural ou a banda se policiou em relação a isso?
War Feres: Foi natural, como eu sempre gostei de compor e o Victor também já fazia isso em bandas que ele já tocou, não foi difícil, talvez essa dupla com dois lideres natos, possa ter facilitado a coisa acontecer, juntando a minha agressividade crua e criativa com a brutalidade técnica e teórica do Victor.

As músicas também mostram mais variação rítmica e versatilidade, você concorda?
War Feres: Sim, depois que o Krisium estourou, muitas bandas tentavam fazer a mesma coisa que eles, misturando velocidade com muitas notas gerando o chamado “Brutal Death Metal”. Eu particularmente prefiro o Death/Black old scool.


Como foi o trabalho de produção com Marcos Cerutti? Por que o escolheram?
  Foi muito satisfatório, além de ser um cara gente boa é muito prestativo e competente. Eu já conhecia o trabalho dele com o Terminal Illusion e Blaster Pain, o escolhemos porque queríamos alguém que conhecesse e gostasse do tipo de som que agente queria para o álbum.

“Cause the War Never Ends...” foi lançado pela Mutilation Records, selo renomado e especialista em Metal extremo no Brasil. Como surgiu essa parceria e como vocês vêem o trabalho da gravadora?
War Feres: Depois que o CD ficou pronto, comecei a procurar selos mandei o material para vários. Deu certo com a Mutilation, assim como os parceiros distribuidores Violent Records - SP; Nyarlathotep Records - SP; UBD Distro - AM; Rock Animal - RS; Blasphemic Art Distro - RS; Pictures From Hell Distro - BA; Odicelaf Zine - BA. O trabalho vem sendo muito bom, você pode adquirir o CD em qualquer parte do Brasil: Sudeste, Sul, Norte e Nordeste do pais.

O disco foi lançado recentemente, mas como está a repercussão de “Cause the War Never Ends...” até então?
War Feres: A Repercussão esta sendo muito boa, o CD também será lançado na Europa pelo selo sueco Black Lion.

Quais os planos agora? Enfim, como está a agenda da banda?
War Feres: Os planos são dar continuação na divulgação do disco e ver no que vai dar... Quanto á agenda, não vamos fazer muitos shows. Fizemos apenas dois até o momento (Várzea Paulista/SP e Santo André/SP). Isso não ocorre pela falta de convites e sim pela falta de apoio dos produtores. Pois na verdade o que pedimos pra tocar nem pode ser considerado como um cachê e sim como uma ajuda de custo, e mesmo assim quando o pedimos, a maioria dos produtores não dá nem uma contra proposta, porque já sabe que outra banda vai lá, e toca sem pedir nada... Entenda, não sou contra as bandas que tocam de graça, pois já toquei muito e acho que cada um administra do jeito que acha melhor e nem sou contra o produtor, porque na maioria das vezes o público simplesmente não comparece. Mas a banda também se fode com combustível, comida, bebida, ensaios, em fim, não dá pra ficar tirando dinheiro do bolso para tocar. A meu ver, o público de hoje em dia só vai em shows de bandas com um nome já consolidado, quando se trata de um show underground, só quem comparece são aqueles mesmos fiéis guerreiros...

Muito obrigado, este espaço é pra vocês deixarem uma mensagem aos leitores.
War Feres: Quero agradecer primeiramente ao espaço e precioso apoio, e a todos que de uma forma ou outra nos ajudam nessa batalha sem fim...


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Shinigami Records