terça-feira, 1 de setembro de 2015

Araraquara Rock – “Coletânea Seletiva” – 2015 – Independente (Nacional)

São 14 edições e a consolidação de um dos maiores festivais de música independente do Brasil. Este é o Araraquara Rock, evento que em 2015 abriu ainda mais as portas para as bandas da cidade criando a seletiva aonde 10 bandas se apresentaram no Teatro Wallace Leal Valentim Rodrigues disputando duas vagas para se apresentarem na edição deste ano.

Além de provar que Araraquara é um pólo forte do Rock/Metal paulista, a seletiva mostrou união entre as bandas que, por consequência, lançaram esta coletânea gravada ao vivo no Estúdio Távola, com produção de Marcelo Tucci. O resultado final é muito acima da média, provando que a música pesada vai bem na Morada do Sol, obrigado.

As bandas aqui vão do Pop Rock ao Grindcore e, por mais que pareça forçado (e não é), todas agradam! Um fator primordial foi a produção igual para todas, não tendo um desnivelamento neste quesito. O que valeu mesmo foram as performances e a Despotic Hate com seu Thrash/Death Metal e a banda Kali com seu Post/Space Rock provaram porque foram as vencedoras. Ambas mostram coesão e músicas muito bem estruturadas, além de empolgantes, cada uma em seu respectivo estilo.

A Crockdilo Rock e seu Rock típico nacional, Perdas e Danos (quase uma homenagem ao Golpe de Estado, tamanha a influência) e Monstera erguem a bandeira do Rock brasileiro. Os Capial, duo que pratica o Grindcore com temáticas caipiras, soa praticamente Death Metal aqui, enquanto o The Assault prima por seu Thrash versátil.

Hassassins e Vindictus são outras gratas surpresas (afinal este quem vos escreve ainda não as conhecia) partindo para o lado mais alternativo da coisa, sendo que a primeira se auto-rotula Soul Metal. O importante é que este disquinho não só divulga os nomes da cidade, como também é muito gostoso de ouvir. Parabéns aos idealizadores e ao produtor Marcelo Tucci (que está aberto a produzir, mixar e materizar álbuns de bandas de rock interessadas).


8,0


Vitor Franceschini

Um comentário:

Shinigami Records