terça-feira, 22 de setembro de 2015

Verborragia Sonora: Fazendo "Cena"

Luis Carlos participando do show do Genocídio. (Foto: Luciana Pires)
Por Luis Carlos



Dias atrás eu anunciei o encerramento das atividades dos meus eventos que estou fazendo no Rio de Janeiro, eventos estes, voltados para o Metal Brasileiro e do qual eu estou trazendo algumas bandas importantes do nosso cenário pra cidade que resido.

Após a divulgação deste encerramento, muitas hipóteses, reclamações, teorias, conspirações e porque não dizer “hipocrisia” se levantou em algumas postagens, que, diga-se de passagem, nem eu mesmo reclamei, pelo contrário, só agradeci pelo apoio e respeitando todas as opiniões. Melhor mesmo agradecer do que reclamar, até porque Rede Social não é 0800 e só reclamar não vai adiantar nada se não fizermos algo para melhorar, pois existe a crítica construtiva e a crítica vazia, esta última feita por gente que só reclama e nada faz, pior, nada faz e ainda acha conveniente atrapalhar. Se me perguntarem: “O evento deu errado?”, com toda convicção do mundo eu responderei: “Não, errado daria se nada eu fizesse para ajudar”, e foi justamente o que eu fiz por todos aqueles que, como eu gosto de Metal Brasileiro, aliás, não tinha nada mais gratificante do que ver que as pessoas chegando até a mim durante um evento e agradecerem por estarem assistindo àquelas bandas de que tanto gostam, quando na verdade são justamente essas pessoas que fazem com que tudo aconteça, eu é que deveria agradecer e AGRADEÇO DE TODAS AS FORMAS POSSÍVEIS, e principalmente, por acreditarem que o projeto era possível.


Pessoas que gostam de Heavy Metal, pessoas que pagam para ver os shows das bandas, gostam delas, assistem e se divertem, e também compram merchandising das bandas, pessoas que fazem com que a cena aconteça, pessoas com a única ideologia de que Heavy Metal é música, diversão e arte, são essas pessoas que me interessam, o meu compromisso é com elas. Quando dizem que o estilo é uma religião, fatalmente caem na armadilha de possuírem os mesmos defeitos que as mesmas, que é o de cercear os gostos e pensamentos alheios quando deveriam cuidar da própria vida e não fazem. Acredito no “radicalismo consciente” de que devemos negar o que contamina o estilo com ideias que nada agregam ao Metal, pelo contrário, apenas segregam e certamente isso não tem nenhuma “conotação salvadora” para a cena se não o “próprio umbigo” e a incapacidade de fazer algo para ajudar, e pasmem, ainda se “dignificam” a pedir gratuitamente a participação no evento. Óleo de peroba para essas pessoas! Vai vendo.



Tenho eventos para fazer até novembro. Em setembro tivemos Genocídio e Anthares e o evento foi sensacional, e finalizando com Hibria em um evento aonde realizarei um sonho antigo que era o de fazer um evento beneficente, aliás, existem pessoas que são contrárias a eventos beneficentes, acreditem, não estou inventando uma sandice dessas.  Ajudar alguém não deve ser “true”. Ninguém precisa ser igual, mas ninguém precisa dividir, pois se cada um fizer a sua parte com certeza cresceremos e permaneceremos mais firmes e fortes. Bem, eu pelo menos penso assim, e vocês?












LUIS CARLOS é Produtor da Be Magic e faz eventos de Heavy Metal no Rio de Janeiro, tocou Bateria na extinta Statik Majik e hoje faz parte na The Black Rook.

5 comentários:

  1. Gostei
    Curtir!
    Sandra de Cássia

    ResponderExcluir
  2. Show de bola!!!!!
    Nem precisa falar mais nada, já foi tudo dito, e com muita inteligência e clareza.
    Concordo com VC. E posso dizer por ser telespectadora, já fui alguns shows seus, e que foram muito foda.
    Bjss

    ResponderExcluir
  3. Show de bola!!!!!
    Nem precisa falar mais nada, já foi tudo dito, e com muita inteligência e clareza.
    Concordo com VC. E posso dizer por ser telespectadora, já fui alguns shows seus, e que foram muito foda.
    Bjss

    ResponderExcluir
  4. Sem comentários!!! Show de bola!!!
    Elianâ domingues

    ResponderExcluir

Shinigami Records