quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Entrevista: Bloody



Por Vitor Franceschini

Foram mais ou menos 5 anos de hibernação até que os paulistas do Bloody voltaram a compor, ensaiar e gravar. A banda que já tinha 2 álbuns de estúdio, além de uma demo, soltou este ano o terceiro full-lenght auto-intitulado. Com Paulão Tuckumantel (vocal), André Tabaja (baixo), Augusto Asciutti (bateria) e Fábio Bloody (guitarra) – este último que falou com o Arte Metal – a banda de Hortolândia manteve sua essência, mas atualizou sua sonoridade. Com vocês, Bloody!

Bom, primeiramente conte-nos o motivo do hiato após o lançamento de “Engines of Sins” (2008)? Afinal, o que ocorreu?
Fábio Bloody – Cara, foram muitos fatores reunidos (risos). Assim que lançamos o “Engines of Sins”, estávamos a todo vapor fazendo shows e preparando uma tour bem legal pelo Brasil, mas o Luis Coser, nosso antigo batera, estava focado em projetos pessoais e acabou deixando a banda. Foram praticamente 9 meses até encontrar o Augusto, nosso atual batera, resumindo, acabamos perdendo o embalo do lançamento. Nesse meio tempo muita coisa aconteceu com os caras, viagens pelo trampo, casamentos, e por ai vai. Sempre nos mantivemos ensaiando, porém concordamos em dar uma segurada na banda para dar um foco no trampo, família, essas coisas.

E como e quando se deu o retorno da banda?
Fábio Bloody – Sempre estivemos em contato ensaiando esporadicamente, até que começamos a compor umas ideias interessantes. Isso foi no começo de 2014. Deste período até o lançamento do play novo já se foram 1 ano e 8 meses da “volta” oficial.

Como foi o processo de composição de “Bloody”? Vocês o compuseram após o retorno ou havia sobras de antes disso, enfim, de antes da banda dar uma parada?
Fábio Bloody – Compusemos tudo novo. Sempre gostamos de trabalhar ideias novas, aproveitar o momento de cada um. O CD tem que refletir o momento da banda, se tivéssemos resgatando algo antigo, acho que o resultado não seria tão legal.

A sonoridade do novo trabalho traz a essência do Bloody, mas adaptada aos tempos atuais. O que podem falar a respeito?
Fábio Bloody – Essa adaptação foi bem natural. Sempre procuramos ouvir o que tem de novo na cena, tanto nacional quanto na gringa, ver o que o pessoal está fazendo de diferente, ter outras influências. Acho isso importante para qualquer músico, temos que procurar a evolução sempre, sair da zona de conforto.

Aliás, quais as principais diferenças apontariam entre “Bloody” e os álbuns anteriores?
Fábio Bloody – A principal diferença foi a entrada do Augusto na batera. Ele tem um jeito mais maloqueiro de tocar e isso faz muita diferença pra compor os riffs. Tendo um batera com estas características pudemos soltar um pouco mais as guitarras, tanto que decidimos gravar o novo play sem metrônomo para dar mais esse ar de ao vivo, deixar o som mais espontâneo. Outro fator é que este é o momento mais maduro da banda até agora. Sabemos o que queremos e o que podemos fazer e procuramos fazer 1000%.



Nota-se uma atenção especial nas linhas de guitarras que são o grande diferencial do novo trabalho. O que vocês podem falar a respeito?
Fábio Bloody – Juro que não foi algo proposital (risos). Foi muito natural mesmo, tanto que na produção minha maior atenção foi pra batera. Queria conseguir captar bem o jeito de tocar do Augusto. Talvez a batera dele realçou o meu jeito de tocar e a construção dos riffs. É uma boa teoria para se estudar. (risos)

Aliás, nota-se certa naturalidade nessas bases de guitarras e uma coesão intensa entre vocês...
Fábio Bloody – Esse entrosamento vem com o tempo mesmo. Eu, Paulo e Tabaja já tocamos juntos há pelo menos 15 anos. Já sabemos aproveitar os pontos positivos de cada um e o Augusto entrou muito bem no time. Parece que ele sempre tocou com a gente. Outra coisa, o clima na banda é o melhor possível, me sinto em família, acredito que isso influencia também.

E por que e como foi produzir o álbum, Fábio?
Fábio Bloody – Cara, foi uma experiência bem interessante. Sempre quis produzir um álbum de uma banda com mais tempo de estrada, só tinha feito bandas menores ou iniciantes, o que foi legal pra pegar experiência, mas faltava fazer um disco que eu pudesse arriscar mais e tentar tirar tudo o que imaginava, e nada melhor do que estragar o nosso próprio CD (risos). Aliado a esta vontade, estava a falta de grana e tempo pra bancar um estúdio, então conversamos e decidimos arriscar. Acredito que o resultado ficou muito bom. Com os poucos recursos que tinha, consegui uma gravação pesada, crua, com todos os instrumentos bem nítidos. Estou bem satisfeito com o resultado.

Como público tem recebido o novo trabalho e também o retorno de vocês?
Fábio Bloody – Não esperávamos receber críticas tão positivas. Sabemos que temos um material de boa qualidade em mãos, mas estamos surpresos com a receptividade acima da média. Foram quase 500 downloads do CD até agora. Estamos empolgados com o que pode vir pela frente ainda.

Quem acompanha a banda já notou que vocês procuram usar a tonalidade vermelha na arte dos álbuns, desde o primeiro disco “Slow Death” (2005). Acredito que seja uma alusão ao nome da banda (‘Bloody’ significa ‘sangrento’, em inglês). Vocês pretendem manter isso nos outros trabalhos?
Fábio Bloody – Exatamente. Queremos deixar a nossa marca, ter um diferencial e uma das sacadas é utilizar a cor vermelha em todo o nosso material. Podemos até partir para outras cores, mas com certeza o vermelho estará presente. (risos)

E quais os planos da banda para estes próximos três meses finais do ano?
Fábio Bloody – Estamos preparando um vídeo de uma das músicas do novo CD e pretendemos fazer alguns shows para fechar o ano com chave de ouro.

Muito obrigado, este espaço é para deixarem uma mensagem aos leitores.
Fábio Bloody – Em nome da banda, agradeço imensamente o espaço para poder mostrar e falar um pouco mais do nosso trabalho. Aproveito para parabenizá-lo pelo trabalho divulgando a cena nacional, apoiando as bandas, sabemos o quanto é difícil manter um projeto assim, tem que ser muito teimoso mesmo (risos). E para fechar, convido o pessoal que ainda não conhece o Bloody para visitar o nosso site www.bloody.com.br, baixar o novo CD e conhecer um pouco mais dos nossos 13 anos de estrada! Um grande abraço a todos! Stay Bloody Fuckin Rules!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Shinigami Records