sexta-feira, 17 de junho de 2016

Hagbard – “Vortex to an Iron Age”

(2016 – Nacional)
                                               
Heavy Metal Rock

Pra se ter uma ideia da qualidade do Hagbard, banda oriunda de Juiz de Fora/MG, o grupo já marcou território com o debut “Rise of the Sea King” (2013), sendo considerado um dos principais nomes do Folk Metal nacional. Aí veio o EP “Tales of Frost and Flames” (2015) e consolidou os fatos, lembrando que antes disso a banda lançou uma demo e um single.

Sendo a prova de fogo, este segundo álbum “Vortex to an Iron Age” chega para provar de vez o status do grupo e não faz feio. Passando por cima de todos os obstáculos, afinal o Folk Metal hoje entra em certa estagnação, a banda consegue soar muito bem, variada e longe do senso comum do gênero.

Claro que o disco traz os clichês do Folk como os instrumentos típicos (flauta, acústicos e afins) e a temática voltada à fantasia e história antiga, mas o Hagbard consegue unir a isso peso e agressividade que fazem muita falta nos principais nomes do estilo. A variação tanto rítmica quanto do clima das músicas é outro fator que ganha pontos à banda, sendo que há músicas em que o grupo consegue transmitir obscuridade, sendo que em outras o clima mais alegre soa preponderante.

Equilibrando bem as doses agressivas dos riffs de guitarras, o clima épico se alia bem e não soa exagerado nas composições. A cozinha faz bem sua lição, auxiliando no peso e mostrando coesão, sendo que a versatilidade nas linhas vocais com foco no gutural, mas apoio de limpos e inclusão de femininos é a cereja do bolo.

A produção falha um pouco na falta de naturalidade, mas não compromete no resultado final e é acima da média, lembrando que o disco foi gravado na cidade natal da banda com mixagem e masterização mais uma vez a cargo de Jerry Torstensson no Dead Dog Farm Studio em Säffle (Suécia). Ouça inteiro e inclusive perceba a semelhança da introdução de Last Blazing Ashes com a melodia de Raabjørn speiler draugheimens skodde (Dimmu Borgir). Muito bom.


8,5

Vitor Franceschini


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Shinigami Records