quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

ACROSS THE BURNING SKY: Loucos pelo Melodic Death Metal das antigas



Por Vitor Franceschini
Fotos: Divulgação

Banda discreta, a sueca Across The Burning Sky prefere manter seu foco total na música, não divulgando muito seus integrantes e o passado dos mesmos. Com um estranho exacerbado amor pelo Melodic Death Metal feito nos primórdios do estilo, a banda lançou o ótimo debut “The End is Near” (2016 – confira a resenha) que nos remete aos clássicos do gênero. Conversamos com o vocalista Aki sobre esta devoção ao Melodic Death Metal, além é claro do álbum e da banda, que é completada por Zodiac e Matte nas guitarras, Hakon no baixo e pelo baterista Sethor.

A banda se formou em 2014 e o primeiro álbum “The End Is Near” foi lançado em 2016. Vocês chegaram a lançar algum trabalho antes disto? Enfim, apresentem a banda ao público brasileiro.
Aki: Sim, claro. Nós não somos novatos neste sentido, mesmo se "The end is Near" é o álbum de estréia sob o nome Across The Burning Sky. Nós tocamos em várias bandas e projetos desde a década de noventa, então talvez alguns destes projetos também chegaram até no Brasil. Mas, infelizmente, nunca tocamos por aí antes, então talvez por isso ninguém ainda nos conheça. Pessoalmente, eu já lancei álbuns e demos nos últimos 20 anos em 3 bandas diferentes. Dois deles como guitarrista e vocalista e com minha última banda apenas como vocalista. Talvez um dos sete lançamentos, onde eu tenho contribuído no passado também tenha chegado ao Brasil. Mas não importa, porque estamos em 2017 e a única coisa que conta é o nosso trabalho atual como Across The Burning Sky. Nós não queremos ser medidos por algo do passado. Esta é também a razão pela qual, como Across The Burning Sky, não divulgamos nenhuma de nossas atividades passadas.

A proposta que vocês apresentam em “The End Is Near” é focada no Melodic Death Metal. Isso é algo que vocês queriam ou fluiu naturalmente, afinal no release vocês citam “Melodic Heavy Metal as Melodic Death Metal can be!”?
Aki: Esse tipo de Melodic Death Metal é exatamente o que queremos fazer. Nós crescemos com este estilo nos anos noventa, demos nossos primeiros passos neste gênero também. Musicalmente, nossas bandas e atividades anteriores não eram muito diferentes. Nós sempre nos sentimos em casa com este estilo, ou pelo menos adjacentes. Especialmente em nossos corações. Mas a Across The Burning Sky é a quintessência de tudo o que fizemos antes. "The End Is Near" é o álbum da nossa carreira, que encarna este estilo da forma mais intransigente e mais pura. Isso é tudo o que conta para a banda. Sabemos que não reinventamos a música. Nós não queremos isso também. Mas muitas bandas do passado têm deixado este caminho musicalmente, por isso era simplesmente uma necessidade para nós fazer este processo "de volta". Nós amamos este som e queremos mais do que fazer um álbum que refresque as memórias daquela época. Por isso, aceitamos os comentários ruins, que nos atestam a sermos chatos porque a nossa música não contém novas abordagens. Nós não damos a mínima, porque estamos tocando 100% o que nossos corações e almas nos disseram para fazer. Nós não estamos pensando no sucesso ou no fracasso, mas sim sobre este estilo de Metal que amamos. Estamos muito contentes por termos encontrado um selo como a MDD, que entende essa atitude e nos apoia nessa viagem de nostalgia, sem nos forçar a uma expectativa comercial.

A sonoridade apresentada no disco é mais crua e visceral que o que vemos atualmente dentro do estilo. Vocês remetem mais às raízes do estilo nos anos 90. Essa foi outra preocupação em como soar ou surgiu naturalmente?
Aki: Digamos assim: primeiro não foi uma intenção explícita, mas surgiu no processo de produção. No final, também estamos contentes por isso, mesmo se tivermos algumas críticas de revistas que se queixam sobre o som geral. É claro, que gostamos do tempo em que as bandas criaram seu próprio som em seus álbuns. Basta ouvir alguns álbuns dos anos noventa e você já sabe, depois de alguns tons, se é um álbum do At The Gates, Dark Tranquility, Dissection ou Edge Of Sanity. Tente isso com álbuns hoje em dia. Sim, claro, todos eles têm um som bombástico, cheio! Mas dentro de um gênero todos eles soam o mesmo, ou pelo menos "muito semelhantes". No final tudo é "inchado" na produção, que é simplesmente apenas sobre a "parede de som". É claro que tudo parece ótimo e "bom". Mas, além da individualidade, muitas vezes sofre também a "crueza" entre os quais este gênero às vezes descreve e também necessita. No entanto, não temos dito "vamos torná-lo explicitamente brutal e old-school", mas durante a produção em muitas partes, decidimos não inflar algo artificialmente. Muitas vezes quando fizemos um "antes / depois" nas demos, sentimos o mais natural som áspero com muito mais autenticidade e encanto. E assim, no final, muitas faixas permaneceram com suas características de som como foram gravadas. Isso se tornou um álbum, que comparado com os atuais é descrito como uma "produção com falta de punch" ou "som ruim". O que relacionado à produção é uma grande merda. Alguém pode verificar a forma e os níveis de captação e provar que o espectro de freqüências está sendo explorado e até mesmo em alto-falantes medíocres você pode ouvir os instrumentos precisos com clareza, as guitarras, o baixo e a bateria, está tudo em seu lugar, só que produzido e mixado de forma diferente. Na verdade soa um pouco antiquado sim, naturalmente. No início não tínhamos a intenção de gravar um álbum completo, já que tocamos algo e queríamos manter nossas ideias, portanto, não havia um grande álbum completo. Isto cresceu a partir dos ensaios e sessões que ocorreram durante a pré-produção e, é claro, há algumas coisas que faríamos de forma diferente ou melhor, afinal de contas, nunca produzimos por nossa conta um álbum. A experiência e a gama de aprendizado foram, portanto, enormes. Faz uma grande diferença se você só tocar os instrumentos e ser completamente responsável por trás do que está gravando. Mas não estamos infelizes com a produção. Em muitas revistas, nossa intenção é destacada e a produção ‘old school’ também como parte de um todo, o que sublinha o caráter básico como um álbum cru, autêntico e honesto.

Há também elementos do Thrash Metal e, principalmente, do Black Metal no disco. Estes são estilos que os influenciam?
Aki: Esta não foi uma intenção explícita, mas como crianças dos anos 80 e 90, algumas coisas de Thrash Metal também pertencem aos nossos sons favoritos. Que há alguns elementos em nossas canções sim, portanto, provavelmente é um resultado inconsciente. Sobre as influências do Black Metal, no entanto, há um ano nós negamos veementemente isso. Em quase 90% de todas as resenhas, uma forte influência do Black Metal é citada. Portanto, não temos escolha senão acreditar (risos). Tantas pessoas diferentes não podem estar erradas, não é? Alguns críticos vêem a influência do Black Metal especialmente na atmosfera obscura do álbum, outros principalmente nos vocais, e outros em melodias de guitarras especialmente. No final, não temos escolha senão reconhecer que essas influências obviamente existam para o ouvinte. Não temos problemas com isso. Como fãs de Metal, também ouvimos bandas e álbuns de diferentes gêneros. Pessoalmente, estes são provavelmente também os estilos de Metal que ainda são os mais importantes para nós ao lado de Death e Melodic Death Metal. Se conseguimos produzir um álbum Melodic Death Metal, que também emociona os fãs de Thrash e Black Metal, é óbvio que isso não pode ser ruim (risos).

Enfim, “The End Is Near” se mostra um álbum versátil e que traz uma aura soturna satisfatória. O disco atingiu as expectativas?
Aki: Para nós do ponto de vista musical, definitivamente! Estamos muito felizes com o resultado. Como mencionado, há, naturalmente, coisas que poderíamos ter melhorado, mas como é, reflete 100% de nossos pensamentos, sentimentos e intenção. É exatamente isso o que queremos fazer!



O título “The End Is Near”, além de soar forte, condiz com os tempos atuais. Qual mensagem vocês procuram passar nos temas do trabalho?
Aki: Se você reparar bem, o título "The End Is Near" se encaixa quase em todos os últimos 20 anos. Mesmo que pareça mais apropriado de ano para ano. No entanto, não é nossa intenção referir-se explicitamente a atualidade. Nós tentamos refletir uma visão bastante atemporal em vários cenários de fim dos tempos. Se você quiser, pode ser apenas um tema bastante típico no Metal. Morte, destruição, apocalipse. Obviamente influenciado pelo desenvolvimento que o mundo parece tomar, mas também no que se refere às interpretações mitológicas e religiosas deste tema. Não é nossa intenção dar ao ouvinte uma mensagem especial, mas sim expressar nossos próprios pensamentos e sentimentos. Mais ainda, nós também queríamos dar a nossa música, o som e a atmosfera que queríamos criar com o álbum também em um conteúdo mais afunilado. A música do álbum veio em primeiro plano. Só depois que as gravações foram quase concluídas, começamos a preenchê-las com letras que se encaixam na atmosfera apropriada. Para isso, usamos uma linguagem às vezes muito pictórica, que permite ao ouvinte combinar sua própria interpretação. É emocionante quando cada ouvinte encontra sua própria história em nossa música e em nossas letras. Isso torna mais pessoal e memorável. Em algumas de nossas letras, claro, também temos nossos próprios pensamentos, sentimentos e, em alguns casos, experiências. Outros, por outro lado, simplesmente contam uma história fictícia.

E qual a repercussão do disco tanto por parte do público, quanto por parte da mídia? Ouve algum ‘feedback’ do Brasil?
Aki: As reações são muito versáteis (risos). Parece que o álbum preferiria polarizar. Há realmente diferenças muito grandes. Por um lado, há pontuação superior e acima da média, boas críticas. Essas pessoas gostam da abordagem da velha escola, a crueza e a intransigência na implementação. A atmosfera escura e a sensação de estar em uma máquina do tempo. Em contraste com isso, há reações realmente negativas que criticam quase tudo em que os outros se sentem particularmente bem. A crueza, o fato de que não há "nada de novo" e um tinha tudo, incluindo o som já nos anos 90. Apenas alguns encontraram alguma forma "média". O exemplo de uma verificação de som, em que editores diferentes da mesma revista deram ao nosso álbum a pontuação máxima, bem como a pontuação mais baixa, mostra o quanto isso depende do gosto pessoal do revisor. No momento não temos comentários de feedback para este lançamento. Temos uma boa resenha de uma revista chamada "Arte Metal", talvez você já ouviu falar deles (risos). Brincadeira de lado, o fato de que nosso selo cooperou com uma agência promocional portuguesa, nos deu pelo menos algumas reações muito positivas da área de língua portuguesa. Talvez já tenha existido um ou outro do Brasil. Normalmente, observamos apenas a linguagem na qual uma resenha é escrita. Nos casos mais raros, estamos procurando a origem exata do zine. Isso não deve desempenhar um papel importante, afinal, todos nós somos ‘metalheads’.

A Suécia é considerada a terra do Melodic Death Metal com nomes como Dark Tranquillity, In Flames, At The Gates e hoje o Soilwork. O quão o estilo é grande em seu país e quais as pressões a banda enfrenta por apostar em tal sonoridade?
Aki: Bem, pelo menos nos anos noventa o estilo aqui era muito popular em todos os lugares. Suécia, Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Holanda, Espanha - em toda parte que se dedicaram a este estilo cresceram. E em muitos países essas bandas ainda são muito populares hoje em dia. Dos estilos adjacentes que surgiram a partir da onda, em seguida, não dá para mencionar. Mas também tivemos a impressão de que o som original é algo esquecido. Portanto, era também uma necessidade para nós fazer algo "de volta às raízes". Sobre a "pressão", sinceramente não nos preocupamos. Nós até esperamos receber muito menos benevolência. Quando começamos a escrever as primeiras músicas para o álbum em 2014, não sabíamos se as pessoas desse estilo ainda seriam ouvidas. Nós fizemos isso principalmente para nós. Sem qualquer pressão ou expectativas. O momento mais surpreendente foi quanto nós recebemos a oferta da MDD Records e a mais esmagadora foi que encontramos a variedade de reações realmente grandes de zines, blogs, podcasts e rádios. Isto foi, honestamente, mais do que esperávamos. Se tivéssemos encontrado apenas 10 ouvintes mais intensos, estaríamos satisfeitos. Tudo o que temos, além disso, vemos como um bônus. E esse bônus é realmente grande agora (risos). Parece que muitas pessoas, que ficaram nos anos noventa como nós, estão felizes com o lançamento de um álbum como "The End is Near".

Além de divulgar o álbum, quais os planos da banda para 2017?
Aki: Estamos atualmente trabalhando na conclusão de um vídeo para Sacrifice, que deverá ser lançado nas próximas semanas. Além disso, ainda não existem planos específicos. O álbum foi lançado há apenas 2 meses. Desde então, temos desfrutado de inúmeros comentários, entrevistas e ver o número crescente de ‘likes’ no Facebook e views no Youtube com a faixa Bloodlines. Mas vamos estar juntos nas próximas semanas para tirar uma conclusão e discutir se "The End Is Near" continua a ser uma coisa de uma só vez, ou se podemos gravar um segundo álbum. E se decidimos continuar, certamente usaremos o ano de 2017 para escrever novo material (risos).

Muito obrigado pela entrevista, feliz ano novo! Podem deixar uma mensagem ao público brasileiro.
Aki: Nós que agradecemos! Pelas palavras positivas, por esta entrevista e para o fato de existirem sites como estes, que revivem esta cena, apoiam pequenas bandas e selos, além de manter o Metal vivo! Para todos os leitores: confiram nosso álbum. No Spotify, Bandcamp, iTunes, Amazon, ou quaisquer possibilidades que estão disponíveis em sua região e país! Se você gosta, compre um download ou uma cópia física para apoiar nosso trabalho. Diga aos seus amigos e deixe um comentário no nosso Facebook! Tome cuidado e mantenha a chama acesa!

Mais informações:
https://acrosstheburningsky.bandcamp.com/releases

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Shinigami Records