quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Affront – “Angry Voices”

(2016 – Nacional)
                             
Cianeto Discos

Enquanto o Uneartlhy, um dos principais nomes do Black/Death Metal nacional, hiberna, um de seus líderes - M. Mictian (aqui baixo e vocal) – levou a cabo o Affront, que de projeto rapidamente virou uma banda ao lado de Jedy Nahay (bateria) e Rafael Rassan (guitarra, ex-Unearthly, Imago Mortis, entre outros).

A proposta da banda não segue o citado Unearthly, porém alguns elementos vindos da sonoridade imposta pelo grupo nos últimos álbuns aparecem de forma natural nas composições e isso se traduz na dinâmica, timbres e com certeza na agressividade das músicas.

Porém, o Affront consegue criar sua própria sonoridade, dando ênfase à mescla entre o Thrash e o Death Metal, mas sem soar completamente fiel às regras dos estilos. Aqui, o Metal extremo talvez traduza melhor o que a banda gera, além de algo que soa moderno, mas que foge das comuns tendências vistas a esmo por aí.

Uma leve melodia ecoa em meio a climas caóticos, riffs intrincados e andamentos quebrados, mas que não perdem a dinâmica. Talvez, esse seja o básico que resuma a música imposta pelo Affront, que tem os vocais rasgados de Mictian à frente vociferando temas políticos, sociais e culturais.

Músicas fortes como Angry Voices, Affront e Conflicts chamam atenção de cara, sendo que Mestre do Barro traz o ‘abrasileiramento metálico’ que sempre esteve na proposta dos músicos. Essa faixa cantada em português e cheia de groove homenageia o escultor Mestre Vitalino e o nordeste. Há ainda a faixa Under Siege em duas versões, onde a com a participação de Pompeu (Korzus) saiu mais bacana ainda.

A sonoridade bem equilibrada e contemporânea, mérito de Rassan e Mictian que produziram o disco no Musicalico Studio, só contribuiu para o ótimo resultado final. Assim como a arte da capa, que foi feita por Marcelo Vasco (Slayer, Borknagar e outros). CD de estreia com cara de álbum consagrado, novidade cheia de experiência!


8,5

Vitor Franceschini



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Shinigami Records