quarta-feira, 29 de agosto de 2018

A falsa perseguição do Metal ao cristianismo




Por Vitor Franceschini

A intolerância contra o cristianismo dentro do Heavy Metal é uma praxe e tem lá suas motivações que esbarram em contradições que a opinião de grande parte dos ‘headbangers’ se tornou hoje. Isto é, conservadores. Mas isso é outra história e viemos aqui falar sobre a hipocrisia que é essa caça às bruxas (o jogo virou, hein cristãos? – risos) dentro do cenário metálico mundial, portanto, nacional. 

Com as redes sociais qualquer tipo de intolerância e/ou imposição de regras se tornaram comuns em tudo quanto é assunto e no Metal não é diferente. Uma delas é essa perseguição incessante ao tal subestilo conhecido como White Metal, que leva tal denominação por se opor ao subestilo mais ‘satanizado’ do gênero, o Black Metal, e claro, por exaltar temas relacionados ao cristianismo, alguns de forma inteligente e outras nem tanto, com direito a louvores e pregações em suas letras (no Black não é diferente, só muda o ‘ser’ cultuado – risos).

Pois bem, notou que já no texto há algo confuso, não é? Primeiro falamos da intolerância contra os cristãos e depois contra o White Metal. Mas é isso mesmo que você está lendo. Não há tanta intolerância assim contra o cristianismo dentro do Heavy Metal, não perto do que há contra o White Metal. É aí que nos esbarramos na hipocrisia da coisa toda e sabe por quê?

Porque (nem vou me usar de dados) é sabido que em ao menos 95% das bandas de Metal de todo mundo há no mínimo um integrante cristão ou religioso (de qualquer religião que seja). Chutei alto, mas garanto que mais de 90% é certo! E ninguém se preocupa em montar marcha e perseguir músicos como Dave Mustaine, Dan Spitz (ex-Anthrax), Nick McBrain, Ozzy Osbourne, Alice Cooper, Tom Araya, entre muitos outros, que são declaradamente cristãos.

Fato é que sempre tem que haver um bode expiatório para que os oprimidos se tornem opressores e persigam algo, e nada melhor que banda cristã que faz Heavy Metal para isso. Afinal, o papai e a mamãe que obrigava os garotos do ‘mal’ irem as missas todo o domingo, ou a tia que benzia a caxumba com direito a terço e novena, não podemos criticar.

No entanto, a perseguição ao Metal cristão (odeio o termo White Metal) é só mais um motivo de intolerância para massagear certas frustrações, porque é específico e não afronta a religião coisa nenhuma! No mais, quem não houve por causa da temática (eu agnóstico, por exemplo, não tenho paciência com muita pregação e desisto mesmo a música sendo boa) justifica mais do que quem persegue e faz o certo: não gosta, não ouça e nem dê Ibope.

OBS.: NÃO SERÃO PUBLICADOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS

*Vitor Franceschini é editor do ARTE METAL, jornalista graduado, palmeirense e headbanger que ama música em geral, principalmente a boa. Nunca foi crismado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Shinigami Records