sexta-feira, 19 de abril de 2019

Age of The Wolf – “Ouroboric Trances”


(2019 – Importado)

Aural Music

Após o lançamento do EP “Age of the Wolf” (2006), os costarriquenhos lançam o primeiro full: “Ouroboric Trances” (Aural Records). Sludge/Doom Metal para balançar as estruturas!

O primeiro ponto positivo do álbum é a produção, que deixou os instrumentos em harmonia, deixando, portanto, que o peso se destaque. São oito composições que transitam pelos vastos mundos do Sludge e do Doom. Riffs arrastados e criativos, bateria e baixo pesados e, por último, porém não menos importante, vocais agressivos, que, em alguns momentos, beiram o gutural.

Vale destacar as linhas acústicas, pois criam texturas perfeitas para o desenvolvimento das canções. Ressalta-se ainda que o trabalho foi gravado de forma “ao vivo” no Bushido Audio Studios em Cartago na Costa Rica, fazendo com que a essência não fosse perdida em “trilhões” (risos) de overdubs e afins! Futuro promissor!

Faixas: 1-Herald of Abyssos 2-Unholy 3-Goliath 4-The Crimson Penitence 5-Goddess of the Hunt 6-Witches' Gallows 7-Bloodrage 8-Molten Earth. Formação: Christopher de Haan: Vocais, Guitarras. Beto Ramirez: Vocais, Guitarras. Gabriel Ortiz: Bateria. Jorge Camacho: Vocais, Baixo.


9,5

Vitor Franceschini

Arte News: LEGACY OF KAIN: saiba como ouvir novo single antecipadamente


LEGACY OF KAIN: saiba como ouvir novo single antecipadamente
A preparação para o lançamento de "Paralelo XI", novo álbum da banda curitibana Legacy Of Kain está a todo vapor e após o bem recepcionado cover de "Get Lucky" chegou a hora dos fãs terem mais um vislumbre do álbum, mas desta vez com uma faixa autoral.

"Split In Half" foi a escolhida para mostrar ao público um pouco do poder de fogo deste novo álbum e trará novamente a parceria da Legacy Of Kain com Fernanda Lira da banda Nervosa, mas desta vez fazendo os seus habituais berros.

A faixa tem lançamento previsto para o dia 07/05 em evento online no facebook  e até chegar a data maiores informações sobre a composição da mesma, conteúdo lírico, bastidores de gravação e outros detalhes serão informados em primeira mão aos participantes. Aqueles que desejarem participar, basta clicar no link abaixo:


Legacy Of Kain é:
Markos Franzmann - vocal
Karim Serri - guitarra
Tiago Rodrigues - bateria

"Get Lucky" (Daft Punk cover) feat. Fernanda Lira (Nervosa)

"Paralelo XI" - Ao Vivo no Studio Tenda

Ouça a Legacy Of Kain nas plataformas digitais:
Spotify: goo.gl/dRpN6s
Deezer: goo.gl/REyWv1
iTunes: goo.gl/ocgVpf
Soundcloud: goo.gl/xvD7ZW
GooglePlay: goo.gl/qU7p3v

Contatos: 
Instagram: @legacyofkainbrazil


ANGEL'S FIRE: confira a nova linha de merchandise da banda.
A banda Angel's Fire (Symphonic Metal/PE) acaba de disponibilizar novos modelos de camisas, baseadas na arte de capa de seu álbum "O Conto" lançado em 2018.

As camisas estão disponíveis em duas cores, branca e preta, custando respectivamente R$25 e R$45 + frete e podem ser adquiridas via facebook ou whatsapp (maiores informações nos contatos abaixo). Além das novas camisas, o cd "O Conto" ainda encontra-se disponível pelo valor de R$20 + frete e em qualquer compra realizada, o cliente receberá um bottom de brinde.

Sendo elogiado por diversos veículos do cenário nacional e internacional (tendo aparecido inclusive em algumas listas  de melhores álbuns de 2018) e tendo suas músicas sendo tocadas em rádios da Argentina, Honduras, Alemanha, Áustria, Estados Unidos e Brasil "O Conto" é sem sombra de dúvidas um trabalho forte e de qualidade e que tem tudo para sobreviver ao teste do tempo, se tornando um verdadeiro clássico.

"... este é um ótimo álbum de uma promissora banda." 
Metal Na Lata

"... temos aqui um ótimo álbum de metal... muito bem produzido e mixado, tendo cada músico sua característica bem evidenciada."
Rock Vibrations

"... no Nordeste, mais especificamente em Pernambuco, há uma quantidade enorme de talentos na música...e, a partir deste momento, para mim, a banda Angel's Fire já faz parte deste cast e para nossa sorte está com um disco incrível."
Rock Breja

"(O Conto) É bem maduro, mesmo sendo o primeiro disco deles, e digamos de passagem: como eles sabem criar melodias de fácil assimilação por nossos sentidos. E mesmo cantando em português, a dicção e métrica não são afetadas"
Heavy Metal Thunder

"Eu realmente gostei de ouvir esta encantadora estréia"
Mauce.nl (Holanda)

Clipe - "Meu Desejo"

Angel's Fire é:
Priscila Lira - Vocal
Israel Lira - Guitarra
Saymo Robert - Baixo
Italo Liano - Teclado
André Lima - Bateria

Contatos:
Instagram: @angelsfireofficial
Whatsapp (p/ vendas) 81 998920731 (A/C de Bruno Raniere)  

Ouça o álbum "O Conto" nos links abaixo: 
Google Play - http://bit.ly/2FkwfDu


HANDFUL OF HATE lança novo single
A lendária banda de black metal italiana HANDFUL OF HATE acaba de lançar seu novo single "An Eagle Upon My Shield (Veteris Vestigia Flammae)" via Blessed Altar Zine. A música é tirada de seu próximo álbum “Adversus”, que será lançado no dia 3 de maio pela Aural Music.

O site comentou: "Eu tive o prazer de ouvir o álbum inteiro com antecedência e eu diria que a produção, as composições, a performance geral de Nicola, Aeternus e Andrea - tudo nestes 43 minutos de misantropia black metal, apenas prova que HANDFUL OF HATE estão em excelente forma. Esses 26 anos simplesmente deixaram uma marca sólida de sabedoria na banda para que eles entreguem o presente lançamento esmagador - um álbum de black metal sem compromissos ".

Ouça a música aqui:

Encomende o álbum aqui:


DAYSLIVED: o novo vídeo e novo álbum lançados agora!
A banda de progressive metal DAYSLIVED acaba de lançar o novo vídeo "Touching The Clouds", do novo álbum "FLECTAR" lançado hoje, 19 de abril, através do ROCKSHOTS RECORDS.
O vídeo está disponível no seguinte link: https://youtu.be/r37J-BL3rGc

"FLECTAR" é o segundo álbum da banda e é o trabalho de estúdio mais progressivo e experimental até hoje, bem como o mais ambicioso.

A DAYSLIVED quer explorar sons e temas inovadores na cena rock / metal. Ouvindo “FLECTAR”, você experimentará uma jornada sônica através de elementos diferentes e nunca repetitivos. A voz de Monik é a marca registrada de seu novo som, uma mistura de metal, rock progressivo, música sinfônica e eletrônica.

O álbum foi produzido no Domus Janas Studio por Marco Strega (MaterDea) ao lado de Marco Allemandi e Matteo Sabetta, e masterizado na Fascination Street Studios por Tony Lindgren.

"FLECTAR" está disponível na loja oficial ROCKSHOTS RECORDS: http://bit.ly/Flectar_CD

Mais informações:


AGE OF THE WOLF lança novo single
A AGE OF THE WOLF, da Costa Rica, acaba de lançar seu novo single "Herald of Abyssos". A música é tirada de seu próximo álbum “Ouroboric Trances”, que será lançado em 10 de maio pela Aural Music.

Ouça a faixa aqui:

Encomende aqui:


NTH ASCENSION dá detalhes do novo álbum
A banda de rock progressivo do Reino Unido, NTH ASCENSION, apresentando o tecladista do TEN, Darrel Treece-Birch, anunciou o lançamento de seu terceiro álbum, "Stranger Than Fiction", em 31 de maio de 2019, pela Metatronic Records. O álbum contém 8 faixas, incluindo mais três versões do enredo atual de Clanaan Chronicles, que começou em seu lançamento de estreia.

O NTH ASCENSION retornou ao seu artista de álbum regular, Oliver Pengilley, para pintar a impressionante nova obra de arte. O renomado artista britânico fez sua estreia na capa com o primeiro lançamento da NTH ASCENSION, 'Ascension of Kings' em 2014, e foi seguido por seu inédito 'In Fine Initium' em 2016. A poderosa paisagem marítima contém imagens da marca Pengilley e atrai o espectador ondas do oceano.

Tracklist:
1. The Opening
2. True Identity
3. Fire In The Sky
4. Reconciled
5. The Gathering (Clanaan pt7)
6. Journeys End (Clanaan pt8)
7. Lament (Clanaan pt9)
8. Sound To Light

O álbum foi criado por Darrel Treece-Birch e Martin Walker. Mixado e masterizado por Eric Gillette (Banda Neal Morse), EKG Studios, EUA.

Mais informações:


EYE OF THE DESTROYER lança novo single
A banda de death metal EYE OF THE DESTROYER, de Nova Jersey, acaba de lançar a faixa-título de seu próximo álbum, “Baptized In Pain”, via Indy Metal Vault. O álbum será lançado em 17 de maio via High Potency.

Ouça a música aqui:

Encomende aqui:


LOOKING GLASS PROJECT lança novo lyric vídeo  
A banda de Rock alternativo, Looking Glass, compartilha agora o vídeo do single My Life is Going, capa do tema principal original da série de TV La Casa de Papel / Money Hest.
Aproveite agora: https://youtu.be/tRVg37KETfs

O single está disponível agora em todas as lojas digitais!

Obs.: As notas publicadas nesta seção são de responsabilidade das assessorias das bandas/artistas.

InteraBanger: Vltimas




David Vincent (vocla, ex-Morbid Angel), Blasphemer (guitarra, ex-Mayhem) e Flo Mounier (bateria, Cryptopsy) formam o Vltimas, banda que une estilos e características diferentes, além de três nacionalidades diferentes. O resultado é o álbum “Something Wicked Marches In”, que traz a banda já apostando em uma característica própria, mas mostrando resquícios das principais ex-bandas dos músicos. Problemas com isso? A maioria da galera nem ligou.

“Pra ser sincero, não gostei, o timbre da bateria, velocidade de bumbos parece fake, vocal do Vincent não me agradou também, ouvi 2 músicas e deixei quieto...” (Weliton Lisboa, Ethel Hunter - https://www.facebook.com/ethelhunterpage/)

“Produção suja, mas eficiente e audível. Um Death Metal cadenciado com uma essência de Mayhem do terceiro milênio, cortesia do Blasphemer, que tocou por lá. Achei bastante interessante e vale muito a pena uma audição!” (Bruno Rocha, Heavy Smasher - https://www.facebook.com/heavysmasher/)

“Curti bastante, pegada muito forte!” (Bob Ricardo Generato, leitor – Fernandópolis/SP)

“Achei bem foda, só monstrão na banda, não poderia esperar menos.” (Guilmer da Costa Silva, leitor – São Paulo/SP)

“Ouvi o disco inteiro, achei fantástico, me lembrou muito os álbuns “Covenant” (1993) e “Domination” (1995) do Morbid Angel. Uma verdadeira aula de Death Metal.” (Fabio Ramos, Prey of Chaos - https://www.facebook.com/PreyOfChaosGrindcore/)

“Bem legal! É um senhor disco de Death Metal mas não é "engessado". Acho que finalmente o Vicentão encontrou o que procurava após os experimentalismos sem muito nexo do último play do Morbid Angel e dos discos do Genitorturers. Apesar do Blasphemer ser um puta guitarrista e compositor e do Flo ser um dos bateras mais incríveis do mundo, quem se destaca mesmo no play é o próprio David Vincent com linhas vocais geniais!” (Vitor Caricati, Overthrash -https://www.facebook.com/bandaoverthrash/)

“Achei uma das melhores vozes do David nos últimos tempos! Um disco super coeso e nada cansativo, baita banda!” (James Pugens, Rotten Filthy - https://www.facebook.com/rottenfilthyofficial/)

“Fantástico! Até o momento, melhor lançamento de Death Metal que ouvi em 2019. Trampado, técnico e versátil (alterna velocidade e cadência). A produção suja valorizou a rispidez dos riffs, que soam cavalares. Aliás, Blasphemer está impecável nas palhetadas e o fato dele utilizar-se de alguns licks dissonantes, como em Last One Alive Win Nothing, por exemplo, trouxe à tona um pouco da aura do Mayhem - obviamente, com uma melhor produção. Quanto a David Vincent, penso que garantiu um dos melhores desempenhos vocais de sua carreira. E esse é um dos motivos que fazem de "Something Wicked Marches In" (o álbum) uma boa opção para quem torceu o nariz para "Illud Divinum Insanus" (2011) - último álbum de Vincent pelo Morbid Angel. Destaques absolutos: a brutal Total Destroy e Monolilith, pelas alternâncias de ritmos e climas.” (Leandro Nogueira Coppi, Roadie Crew - https://roadiecrew.com/)



“Muito bom!” (Wilson Scatolini Filho, leitor – Nova Odessa/SP)

“Gostei! Com uma formação dessas coisa boa era prevista. Já garanti minha cópia... (risos).” (Norton Guilherme Sampaio, leitor – Caicó/RN)

“Já tô viciado (risos). Vocal absurdo, linhas instrumentais insanas... Bom demais!!!” (Thiago Rabuske da Silva, Dust Commando - https://www.facebook.com/dustcom/)

“Viciante! Death Metal com pitadas Black Metal de alto nível e empolgante. Curto muito a musicalidade que o David Vincent traz pra música extrema, melodias e vocais poderosos. Riffs de guitarras que ficam na cabeça, pra mim é exemplo de como criar bonito com pouco e muito bom gosto. A bateria insana e técnica dá o charme nesse disco. Grande estreia sem sombra de dúvidas!” (Rafael Barros, Burn The Mankind - https://www.facebook.com/burnthemankind)

“Riffs alucinantes! Brutal! A produção é caprichada, principalmente no timbre da guitarra. Death Metal com um "pezinho" no Black Metal por quem sabe o que está fazendo!” (Adalberto Belgamo, redator do ARTE METAL)

“Gostei demais do disco, linhas de guitarras flertando com o Black Metal, bateria muito bem trabalhada, os vocais do David Vincent continuam matadores. Um dos grandes lançamentos de 2019 com toda certeza!” (Junior Moreira, Terrorcult - https://www.facebook.com/terrorcult/)

“Trabalho bem feito!” (Fernando Faria Maciel, leitor – Paracatu/MG)

“Excelente álbum simplesmente matador.” (Claudio Cardoso, leitor – Porto Alegre/RS)

“Sensacional, não paro de ouvir. Death Metal com riffs estilo Black Metal, bateria extrema com variações de músicas mais cadenciadas, que por sinal pra mim são as melhores. Destaque para os coros do Vincent, deu um novo ar ao estilo!” (Rodolfo Carrega, Clawn - https://www.facebook.com/Clawn.death/)

“Eu achei perfeito, muito melhor do que muito som criado pelas bandas anteriores.” (Edu SH, Spreading Hate - https://www.facebook.com/SpreadingHate/)

“Eu baixei e gostei muito, melhor projeto dele de Country.” (Jean Souza, leitor – Campos dos Goytacazes/RJ)


* A seção InteraBanger do Blog Arte Metal, além de procurar inovar e tirar o veículo de certa rotina, tem o intuito de interagir com o leitor, músicos e especialistas no assunto sobre álbuns polêmicos ou não de bandas já consagradas e relevantes. Outros assuntos relativos às bandas ‘mainstream’ (ou nem tanto) também serão comentados esporadicamente.

quinta-feira, 18 de abril de 2019

Symptomen: Heavy Metal consciente





Por Vitor Franceschini

Totalmente consciente de sua proposta, a banda paulista Symptomen chega ao seu terceiro álbum mostrando maturidade e evolução tanto no aspecto musical, quanto em suas temáticas abordadas nas letras. Atualmente formada por Iago Pedroso (vocal/guitarra), o recém chegado Kim Malthus (guitarra), Manassés Procópio (baixo) e Ricardo Menezes (bateria), a banda divulga “Welcome To Brazil” (2018) mostrando que o Metal é plataforma para qualquer assunto e abordagem, com direito a trilha sonora envolvendo técnica, ‘feeling’ e peso.

“Welcome To Brazil” é um disco menos direto que seus anteriores, porém mais trabalhado e variado. Vocês concordam? O que podem dizer a respeito disso?
Iago: Olá, primeiramente obrigado pela oportunidade. Sim, nos esforçamos para colocar um tempero a mais nesse novo álbum, claro que isso deixa as músicas menos “diretas” e consequentemente menos “cantáveis”, mas era nossa intenção desde o início da concepção das músicas. Temos alguns momentos do álbum que ainda soam mais diretos como Born in Hell e Brazil I Am talvez, mas quisemos, de fato, dar um passo à frente.
Ricardo: Sim, com certeza. Isso tem muito a ver também com a questão da evolução pessoal de cada integrante da banda. “Welcome to Brazil” se comunica de uma forma mais elaborada que os álbuns anteriores
Manassés: Isso tudo se deu, também, pelo planejamento do álbum que foi feito com muita antecedência, isso nos deu liberdade para trabalhar com calma em cada riff e encaixá-los da melhor forma possível.

E quais os principais diferenciais e destaques do novo trabalho que vocês apontariam?
Iago: Bom, como você mesmo apontou, as músicas são mais trabalhadas, variam mais ritmicamente, harmonicamente. Outro ponto é a temática e a maneira que isso influenciou na música; em Mud of Death que retrata um desastre, existe esse ar melancólico, sombrio e de revolta ao longo do desenvolvimento da música; Welcome to Brazil é uma crítica irônica sobre gringos que vêm ao Brasil, ela fala da nossa cultura, samba e carnaval e inclusive tem muito de música brasileira nela: um berimbau dando um ritmo de capoeira numa parte instrumental com uma harmonia a lá música nordestina, uma rápida passagem de choro, elementos que não são nada comuns dentro do Heavy Metal. Essa passagem referencia Odeon de Ernesto Nazareth, que apesar do choro soar tão diferente do Metal, quando misturamos as duas coisas o resultado nos surpreendeu.
Ricardo: A qualidade do áudio também é um ponto de destaque que ficou muito superior aos álbuns anteriores, graças a todo profissionalismo da produção na Fatec. A crítica bem forte que veio com esse álbum também é um diferencial, pois embora os dois primeiros também trouxessem críticas, este terceiro vem de uma forma direta e pesada nas palavras e melodias. A sonoridade do álbum ficou mais “sombria” com relação aos álbuns anteriores e isso me agradou bastante.

Mesmo que em doses homeopáticas, o trabalho traz influências do Prog Metal, talvez pela versatilidade que possui. Concordam? A que atribuem isso?
Kim: Sim, em algumas partes soa mesmo (risos).
Iago: A progressividade vem do simples fato de querer sair do comum, isso a história da música nos conta. Não somos uma banda de Prog Metal e nem tínhamos a intenção de soar como uma, mas quisemos sair um pouco da zona de conforto, não queríamos soar tão “quadrados” quanto nos álbuns anteriores, apesar de entender que nosso público estava habituado a isso. Então tentamos trazer o que eu chamaria de “o melhor dos dois mundos” um instrumental mais trabalhado, as vezes se contraponto à rítmica da voz, passagens com mudanças no tempo, na subdivisão, mas ainda com um sentido artístico, eu diria até justificável. É possível perceber isso em Nation’s Disease e Toxic Life, por exemplo. Acho realmente triste que algumas bandas de Prog Metal, muitas vezes com excelentes músicos, deixam de se importar com a parte artística para soar apenas “técnico” e “difícil”.

A sessão rítmica é a que mais mostra versatilidade, com um baixo consistente e a bateria variando mais, soando menos direta. Isso foi algo com que vocês se preocuparam ou surgiu naturalmente?
Iago: Ao mesmo tempo que estabelecemos essa ideia de um álbum com uma sonoridade mais variada, isso ocorreu de forma natural, durante o processo de composição e arranjo, eu diria que foi uma preocupação natural (risos).
Ricardo: Isso mesmo. Não queríamos soar repetitivos nesse terceiro álbum e também queríamos uma forma nova da música se comunicar com o ouvinte, então trabalhamos bastante em estúdio para atingir um novo patamar de qualidade, tanto na execução das músicas como na forma que a música soaria neste novo álbum.
Kim: Sim, o tempo todo enquanto estávamos compondo a gente fazia experiências com ritmos e outras variações conforme o desenvolvimento de cada música.
Manassés: Acredito que a ideia era mostrar algo a mais. Evolução... soar menos repetitivo.



Nas guitarras não é muito diferente e o trabalho conta com a estreia de Kim Malthus. Como chegaram até ele, como foi trabalhar com Kim e qual o grau de colaboração dele em “Welcome To Brazil”?
Iago: Nós conhecíamos o Kim há algum tempo, ele não é da mesma cidade que o restante da banda, mas estava sempre por aqui, tocando com um pessoal daqui. Eu e Ricardo chegamos a fazer um som com ele numa tentativa de um tributo ao Iron Maiden, uns três anos antes de ele vir a fazer parte da banda, mas por falta de tempo de todo mundo acabou não dando certo. Mas de fato Kim é o integrante mais certo que já tivemos na banda.
Ricardo: Sim! Tanto que em pouco tempo, ele já nos trouxe ideias para novas músicas e sempre opinou fortemente nas que já estavam prontas. Kim veio, definitivamente, para agregar à banda!
Iago: Em quase todas as músicas, sou eu quem traz as primeiras ideias. Quando Kim entrou, as músicas Mud of Death, Brazil I Am, Born in Hell, Sinners e Toxic Life já estavam prontas. Mas como é possível ver nos créditos do álbum, Kim ajudou a compor todas as outras músicas do álbum, desde que entrou na banda. Eu destacaria The End of Our Days, Hail to the King, esta última que inclusive ele deu toda a ideia inicial da música.

Partindo para as temáticas do trabalho, “Welcome To Brazil” é um disco que foge do comum dentro do Heavy Metal Tradicional, que costuma muito abordar coisas fantasiosas. Qual as mensagens tentam passar com o trabalho?
Iago: Na verdade, sempre tentamos fugir desses temas fantasiosos, não o estilo da banda, nem da personalidade de cada um de nós. A ideia é apontar problemas estruturais do nosso país. Acredito que algumas pessoas podem achar que o álbum tem alguma posição política com relação ao cenário atual, é claro que em alguma dose sim, mas é muito mais que isso, o álbum começou a ser idealizado no final de 2015, muita coisa aconteceu na política de lá pra cá, poucas delas estão de fato na temática do álbum. Portanto o álbum traz problemáticas que vêm de muito tempo. Por exemplo, quando eu digo em Hail to the King que as pessoas esperam por um único homem como um “salvador” da pátria, isso pode dar a entender que estou falando do atual presidente, não que não seja também, mas a questão é: quando não foi assim? O brasileiro, no geral, sempre pensou assim de qualquer presidente. A crítica é mais profunda do que parece.

Em Mud of Death, aliás, vocês abordam o desastre de Mariana/MG. No momento em que divulgam o novo trabalho que inclui essa música, com esse tema, outro desastre de grande proporção envolvendo os mesmos responsáveis aconteceu em Brumadinho/MG. O que pensam a respeito disso? Aliás, parece que o assunto já saiu de pauta por parte de governantes, responsáveis e até da população...
Kim: É uma situação caótica na qual muitos moradores de lá estão passando até hoje e não poderíamos deixar passar em branco nesse disco.
Iago: Esse esquecimento por parte dos brasileiros, todos sabem o que é comum... Quando compus Mud of Death, eu sabia que levaria um tempo até a música ser lançada, e a ideia era justamente passar a mensagem de que “nós não esquecemos”, infelizmente isso volta a acontecer quase como um presságio, um mês após o lançamento do álbum. Isso apenas confirma uma das temáticas do álbum de que “eles só se importam com eles mesmos”.
Ricardo: Acredito também que além da própria intenção do governo de tirar o assunto de pauta, é tanta coisa ruim acontecendo dia após dia, que não dá nem tempo de sofrer psicologicamente muito por uma desgraça, pois uma nova aparece semanas depois.

Mud of Death e Brazil I Am foram escolhidas para se tornarem lyric vídeo. Por que a escolha dessas composições?
Iago: Mud of Death a gente sabia que seria um single desde sempre. Para a escolha de Brazil I Am, nós fizemos uma audição do álbum inteiro e tentamos chegar num acordo, a justificativa creio que seja o fato da temática da música apresentar bem a ideia do álbum além de ser uma das músicas mais diretas, já que Mud of Death não é tão direta assim, musicalmente. Não achamos que são, necessariamente, as melhores músicas do álbum, mas estão entre elas. Outro fator é que com outras músicas, pretendemos em um futuro próximo lançar videoclipes, mas não devo falar muitos detalhes sobre isso por enquanto.

A capa de “Welcome to Brazil” é bem detalhada e produzida. Como foi o trabalho por trás dela e fale desses detalhes?
Iago: A capa é uma releitura de uma foto tirada de dentro do planalto durante as manifestações de 2013, onde enquanto os políticos faziam um coquetel luxuoso, pessoas protestavam do lado de fora e é possível ver muita fumaça e ação policial. É claro que a capa traz uma versão exagerada, mas isso é uma tendência em qualquer arte, especialmente em bandas de Metal. A arte foi desenvolvida digitalmente pelo designer João Duarte e não há muito o que falar além disso, ficou excelente e melhor do que a gente esperava.
Manassés: Ela não só foi inspirada num momento mas mostra uma realidade que acontece no Brasil: enquanto em Brasília os políticos tomam champanhe em um coquetel caríssimo, o povo lá fora, implorando por melhorias fundamentais, não é atendido.
Kim: A capa é simples e direta: O Brasil num caos total e os políticos assistindo de camarote.

E como está a aceitação do público em relação ao álbum no mundo todo?
Iago: É cedo para dizer, por enquanto só ouvimos elogios. Quase todos que ouviram e nos deram um feedback, apontaram, assim como você, o fato de ser um álbum menos direto. Fizemos recentemente um show de lançamento para a versão física do álbum e foi um sucesso. O público adorou o show e fizeram vários comentários elogiosos sobre as novas composições. Dito isso, acredito que atingimos nosso objetivo inicial e o público está reagindo positivamente.

E quais os planos da banda, além de divulgar o novo trabalho?
Iago: Estamos no momento de atrair pessoas para ouvir o álbum. Isso é o mais importante no momento, e então fazer shows. O país está ruim para música popular que não está no ‘mainstream’, como o Metal. Na verdade, nunca esteve bom, mas agora parece estar pior. Estamos em busca de shows, nós realmente gostamos de tocar ao vivo! Agora estamos com o CD físico em mãos, vamos distribuir para algumas lojas e pretendemos lançar dois videoclipes nos próximos meses, como eu havia dito anteriormente, mas ainda é cedo para dar mais detalhes.
Kim: Daqui pra frente é divulgar cada vez mais e buscar shows pelo mundo afora. E já ir deixando na manga as ideias conforme forem surgindo para um próximo disco.

Tormenta – “Batismo da Dor”


(2019 – Nacional)

Independente

A Tormenta completa em 2019 vinte e um anos de estrada. Se único trabalho lançado até então foi apenas o primeiro álbum autointitulado em 2006. Isto é, foram treze anos de espera por um lançamento de inéditas.

Apesar desta pouca produtividade em estúdio, a Tormenta nunca foi uma banda inerte. Sempre realizando shows e aparecendo no cenário com notícias de suas atividades, o quarteto ribeirão-pretano sempre foi equilibrado e talvez tenham sido minuciosos ao aguardar o momento certo de soltar seu debut.

Eis que a espera valeu e muito à pena. “Batismo da Dor” é um trabalho de ótima qualidade, desde as composições, passando pela produção da própria banda, material gráfico, letras e execução. Um equilíbrio impressionante permeia o álbum, que a cada audição revela novos detalhes.

A banda se inspira no Thrash Metal e opta por cantar em português, e impressiona a capacidade de encaixar a língua pátria no estilo, coisa que todos cientes sabem que não é tarefa fácil. Isso sem contar o instrumental coeso, com guitarras bem timbradas destilando riffs insanos, uma cozinha com um baixo vibrante e bateria com a pegada necessária.

Em meio a leves doses de melodia, a banda aposta em temas líricos inspirados em frases de grandes filósofos, poetas e escritores do mundo todo (com a citação inclusa no encarte antes de cada letra), com um bom gosto que se espalha também pela bela capa do trabalho. De bate-pronto, já é um dos melhores lançamentos de 2019.


9,0

Vitor Franceschini

Arte News: BLIXTEN anuncia título de álbum de estreia


BLIXTEN anuncia título de álbum de estreia

A Blixten é uma jovem banda do interior paulista e sua principal característica é promover uma atualização do heavy metal tradicional a partir do contexto de uma maior inclusão das mulheres na produção, difusão e consumo da cultura heavy metal.
Formada e capitaneada pela vocalista Kelly Hipólito, a Blixten também conta com o guitarrista Miguel Arruda, o baixista Aron Marmorato e a nova baterista Larissa Futenma, e entre suas principais influências o grupo cita nomes como Twisted Sister, Iron Maiden, Anthrax e Warlock.

Depois de ter disponibilizado seu primeiro single “Like Wild” em Abril de 2017, e de ter realizado dezenas de shows, entre eles alguns de destaque como a participação no Festival Araraquara Rock de 2017, a Blixten lançou no ano passado o EP “Stay Heavy”. Gravado no estúdio Távola em Araraquara, “Stay Heavy” reúne cinco canções e foi muito elogiado pela imprensa especializada, como mostram algumas resenhas:

“(…) novo Warlock brasileiro” – Marcelo Vieira (Metal Na Lata);

“Stay Heavy é uma estreia perfeita…” – Vitor Franceschini (Arte Metal);

“(…) de arrepiar até o fã mais exigente.” – Romulo Carlos (Arrepio);

“Música pra bater cabeça, cantar junto, levantar o punho e fazer o clássico maloik” – Eduardo de Souza Bonadia (Stryke);

“(…) um álbum que fará a alegria dos fãs do heavy metal praticado nos anos 1980” – Rodrigo “Piolho” Monteiro (Rock Master);

“(…) a banda mostra seu valor, e nem de longe é uma cópia do que já foi feito” – Marcos Garcia (Heavy Metal Thunder).

Depois da elogiada estreia, chegou a hora do Blixten gravar aquele que será o primeiro disco cheio da banda. O título já foi definido: “Until The Dead Starts To Bang”

"Until The Dead Starts To Bang é uma composição do nosso guitarrista, Miguel Arruda”, explica a vocalista Kelly Hipólito.“Muito antes da entrada da nossa baterista, Larissa Futemna, a música já estava composta e era cotada para ser o título do álbum, juntamente com o desenho do mesmo (que não iremos revelar agora). A letra por si só fala da paixão por Heavy Metal, pela música, por fazer música, na qual permaneceremos fazendo “até que os mortos começarem a bangear”. É um resgate às letras de bandas dos anos 80 que sempre enalteceram sua paixão pelo Metal”.
Ainda segundo Kelly, “Until The Dead Starts To Bang” deve reunir entre 10 e 11 faixas inéditas.
“Por enquanto temos cinco música prontas, pretendemos compor mais cinco ou seis. Temos muitas letras e todas estão sendo escolhidas a dedo! “Until The Dead Starts To Bang” terá muito mais peso e será uma saudação ao Heavy Metal do começo ao fim", completou a vocalista.

Outras informações sobre “Until The Dead Starts To Bang”, assim como data de lançamento, serão divulgadas em breve.

Entre outras novidades, no próximo dia 11 de Maio a Blixten se apresenta no Barphomet em Várzea Paulista/SP.
No mesmo evento, intitulado “Intourior”, que tem como objetivo reunir bandas do interior de São Paulo para se apresentarem juntas por todo o estado, também se apresentarão os grupos Toxic Death, Tessalonica e Corréra. Os ingressos estarão sendo vendidos no local por R$ 10,00 e os shows estão marcados para terem início às 18h00. O Barphomet fica na Rua São José do Rio Pardo, 360 – Jardim Paulista.

Ouça “Stay Heavy” da Blixten nas principais plataformas de música digital:
Spotify - https://goo.gl/U79hNV
iTunes – https://goo.gl/iqBE3Z
Napster - https://goo.gl/YvgyTw
Amazon - https://goo.gl/25DHjy
CD Baby - https://goo.gl/nWqJ11

O videoclipe oficial de “Trapped In Hell” também está disponível no canal oficial da banda no Youtube:https://youtu.be/VOcIkgscWjE


ORTHOSTAT: Baixe agora “Monolith Of Time” GRATUITAMENTE!
O debut álbum dos catarinenses do ORTHOSTAT, “Monolith Of Time”, foi disponibilizado para download pela banda.

BAIXE AGORA: 
HTTP://TINY.CC/ORTHOSTAT-MONOLITHOFTIME

https://sanguefrioproducoes.com/upload/imagens/mediaset/ORTHOSTAT_Monolith_Of_Time.jpg

Altamente recomendado para quem gosta de Death Metal com influências ‘old school’.

Para quem preferir, o álbum também está disponível na íntegra nas plataformas de streaming: 
https://sanguefrioproducoes.com/n/1916

Contato para shows: 
davidlago@live.com

Contato para assessoria de imprensa: 
www.sanguefrioproducoes.com/contato
Sites relacionados:
https://www.facebook.com/OrthostatDM
https://www.youtube.com/channel/UCcmUFU2I1rpPOZf5BRyL9rQ
https://orthostat.bandcamp.com/
https://sanguefrioproducoes.com/artistas/ORTHOSTAT/65   


MONSTRATH: Banda é confirmada no ‘Live Aid for Heitor’ em São José dos Campos/SP, confira!

Trabalhando fortemente na divulgação do atual álbum “The World Serves To Evil”, os paulistas do MONSTRATH confirmaram presença em mais um ótimo evento em São José dos Campos/SP.

O ‘Live Aid for Heitor’ acontecerá no dia 19/05/2019, no lendário Hocus Pocus, e contará também com as bandas Chaos Synopsis, Rectal Collapse, Lockfist 669 e Disturbin, confira o cartaz completo:

https://sanguefrioproducoes.com/upload/imagens/mediaset/MONSTRATH_Live_Aid.jpg

O festival, apesar de ser gratuito, busca contribuição voluntária visando ajudar Heitor Domingues, conhecido headbanger da região que se encontra com problemas de saúde. Confirme sua presença, compareça e ajude, para mais informações acesse: 
https://www.facebook.com/events/803858116636836/

Em outras notícias, o MONSTRATH divulgou que já estão disponíveis as camisetas oficiais de “The World Serve To Evil” (versão nacional), adquira já a sua por apenas R$ 45,00 (+ frete) diretamente pelo Facebook em 
www.facebook.com/Monstrath, por e-mail monstrath@gmail.com ou pelo telefone +55 (12) 99186-7857 (WhatsApp).

https://sanguefrioproducoes.com/upload/imagens/mediaset/MONSTRATH_Camisetas_TWSTE.jpg

Assista ao videoclipe de “Stygian” lançado recentemente:

SAD THEORY: Confira o destaque positivo de “Entropia Humana Final” na imprensa especializada!

Trabalhando em seu vindouro “Léxico Reflexivo Umbral” e divulgando fortemente o atual álbum ao vivo “Audioclastia Humana”, o SAD THEORY ainda celebra a boa receptividade da imprensa especializada acerca de “Entropia Humana Final”, lançado em 2017.

Resenhas do mundo inteiro foram divulgadas, colocando o trabalho como um dos melhores da carreira da banda e mostrando que um novo patamar foi alcançado pelo grupo, confira:

“Death Metal melódico, técnico e progressivo” - VarietyOfDeathZine: 
http://hatredmeanswar4.blogspot.com/2018/08/sad-theoryentropia-humana.html 
“Suas músicas são brutais e os vocais são ferozes” – DisAgreement: 
http://www.disagreement.net/reviews2015/sadtheory_entropiahumanafinal.html 
“é um trabalho mais que forte, é a sua identidade!” - Cultura em Peso: 
http://culturaempeso.com.br/2018/09/20/sad-theory-entropia-humana-final/
“mostra uma banda com uma qualidade excepcional” – The Old Coffin Spirit: 
https://sanguefrioproducoes.com/n/1745
“Mais uma obra-prima da banda” – Arte Metal: 
http://blogartemetal.blogspot.com/2018/10/sad-theory-entropia-humana-final.html
“é um disco muito bom” – Heavy Metal Thunder Brasil: 
https://heavymthunder.blogspot.com/2018/10/sad-theory-entropia-humana-final.html
“Um lançamento e uma banda que definitivamente merecem sua atenção!” – Metal na Lata: 
http://metalnalata.com.br/site/sad-theory-entropia-humana-final-2017/
“é o lançamento mais técnico da banda até hoje” – Rock Arena (UK): 
https://www.rockarena.co.uk/sad-theory-entropia-humana-final/
“é o melhor álbum da carreira da banda” – A Música Continua A Mesma: 
https://musicacontinuaamesma.blogspot.com/2018/11/sad-theory-entropia-humana-final-2017.html
“é um trabalho extremamente relevante” – Rumors Mag: 
http://rumorsmag.com.br/js_albums/sad-theory-entropia-humana-final/
“Nada mais nada menos de que uma banda que entende realmente do assunto” – Full Rock: 
https://fullrockinc.blogspot.com/2018/12/review-cd-sad-theory-entropia-humana.html
“a banda tem maturidade e história pra contar” – O SubSolo: 
http://www.osubsolo.com/2018/12/resenha-entropia-humana-final-sad.html
“é um disco pra quem enxerga o metal como arte” – Cangaço Rádio Rock: 
http://www.cangacoradiorock.com.br/2019/02/sad-theory-entropia-humana-final.html
“suas letras é o que diferencia a banda” – Portal do Inferno: 
http://www.portaldoinferno.com.br/reviews/sad-theory-entropia-humana-final.html

https://sanguefrioproducoes.com/upload/imagens/mediaset/SAD_THEORY_Entropia_Humana_Final.jpg

Todas as resenhas, entrevistas e matérias especiais sobre a banda podem ser conferidas no clipping da banda disponibilizado pela Sangue Frio Produções: 
https://www.sanguefrioproducoes.com/upload/clipping/Sad_Theory.pdf

O SAD THEORY liberou recentemente a última peça de divulgação do álbum supracitado, trata-se do lyric vídeo para a faixa “Punhais Longos, Cortes Profundos”, que aborda os horrores do ‘Terceiro Reich’ e o episódio que ficou conhecido como a ‘Noite das Facas Longas’, assista:

https://youtu.be/rd7fGRe4HZk

Em outras notícias, o grupo vem sendo destaque, com o seu atual trabalho “Audioclastia Humana”, na nova edição do Programa Sangue Frio Produções, que está sendo transmitido toda quinta-feira a partir das 20 horas na Rádio Exmera, para ouvir acesse 
www.radioexmera.com e conheça um pouco mais de um dos principais nomes do Death Metal brasileiro.

Encontre-os nas principais plataformas digitais:


Teatro de Arena recebe o rock autoral da ELETROACORDES banda
O palco e os degraus no alto das escadarias do Viaduto Otávio Rocha vão estremecer. O melhor do rock autoral vai estar à mostra e ao vivo pelo novo trabalho da Eletroacordes banda, agora, constituído como quarteto, no próximo dia 25 de abril (quinta-feira), às 20 horas no Teatro de Arena, em Porto Alegre. O show, intitulado "Violino Amarelo", busca variações inspiradas em nuances psicodélicas e antecipa o que será o terceiro EP da banda, em fase de produção. Participação especial do músico Edgar Parobé. Ingressos a partir de contribuição espontânea.  
De cara nova, e com seis shows em 2019 com a nova formação, a banda executa novas sonoridades, com experimentações mais ousadas, além de releituras de canções ambientadas também no blues, jazz e pop. Porém, com 2 EP’s lançados e 4 clipes roteirizados,  a Eletros já percorre novas trilhas psicodélicas, sem abandonar suas origens. Integram a atual formação Rodrigo Vizzotto (voz, guitarra, harmônica), Marcelo Bacci (baixista), Luis Tissot (guitarra) e Mateus Melo (bateria).
Para a apresentação, com cerca de 1 hora de duração – composto por 12 músicas autorais – mescla antigas e novas composições da banda. As novidades ficam por conta das canções inéditas “Aquele Beijo”, com clipe novo disponível nas plataformas digitais, “Sono Tão Profundo” e “Passageiro”, e ainda as clássicas “Quem foi que Disse” e “Alucinada”.
Iniciada pelo caminho do mais puro rock em 2009, a Eletroacordes seguiu até ano passado como trio, transcendendo pela música eclética, sem rótulos ou receitas prontas, plugado nas origens dos anos 70. Os mais de 100 shows executados na Capital e Interior gaúcho, já dão o tom do evento, incluindo versões em set acústico e releituras de novas músicas. Claro, o tradicional “Toca Raul” não deixará de ser atendido.
O Teatro de Arena fica na Av. Borges de Medeiros, 835 - Centro Histórico, Porto Alegre (RS).
Foto Eletroacordes – J.P. Cirne Lima


ALÍRIO NETTO confirma participação na festa de 30 anos da Top Link Music

O ator e cantor Alírio Netto acaba de confirmar participação especial na festa de 30 anos da Top Link Music, em São Paulo, no Tropical Butantã, no dia 3 de Maio (sexta-feira). O evento será de lançamento do livro de Paulo Baron “Rocking All My Dreams”, que contará com histórias do Metal e Rock pelo mundo.

Amigo de longa data de Paulo Baron, Alírio Netto participará de uma jam com músicos do Angra e Massacration em uma noite super especial. Ao lado do escritor Emerson Anversa, Paulo Baron dedicou boa parte de seu tempo nos últimos anos à criação do livro “Rocking All My Dreams”, que reúne em suas páginas uma lição de foco, força, esperança e muito empenho, e irá proporcionar ao leitor uma viagem em seus próprios sentimentos.

Ao longo dos anos, muitas pessoas se interessaram em saber como é ser um produtor de shows internacionais: como são os bastidores, como é o dia a dia, como é crescer, cair, se erguer e se superar. O conhecimento não é apenas para um — ele precisa ser compartilhado, e neste livro, “Rocking All My Dreams”, isso é perfeitamente explicado.

No currículo de Alírio Netto em musicais, o ator realizou o papel de Jesus na produção mexicana de “Jesus Cristo Superstar” e de Judas na produção brasileira do mesmo musical pelo qual foi escolhido pelo jornal O Estado de São Paulo como Melhor Ator de Musicais de 2014. Além disso, Alírio Netto e sua esposa Livia Dabarian tiveram a grande honra e oportunidade de protagonizar a versão brasileira do musical “We Will Rock You”, musical do Queen, no papel de Galileo e Scaramouche. Alírio já gravou álbuns com as bandas Khallice e Age of Artemis com quem tocou inclusive no Rock in Rio e seu primeiro CD solo “João de Deus”. Recentemente, o músico lançou os videoclipes para as músicas “Back to the Light e “De Sol a Sol”.

Links relacionados:
https://www.facebook.com/nettoalirio/
http://www.alirionetto.com/
https://www.instagram.com/alirio_netto/

SERVIÇO SÃO PAULO
Top Link Music – festa de 30 anos
Realização: Top Link Music e Rádio & TV Corsário
Bandas: Jesus Jones, Malta, Massacration, jam com músicos do Angra
Data: 3 de maio de 2019
Local: Tropical Butantã
End: Av. Valdemar Ferreira, 93 – 200 metros da Estação de Metrô Butantã
Como chegar: http://www.tropicalbutanta.com.br/comochegar
Horário: 20h (open doors) | 22h (Showtime)
Informações gerais: (11) 3031.0393
Evento Fb: https://www.facebook.com/events/333092037498488
Classificação etária: 16 anos. Entre 14-15 anos somente acompanhados por pai ou mãe munidos de documentos
Capacidade: 2.500 lugares
Duração: Aproximadamente 90 minutos
Estacionamento: nas imediações da Tropical Butantã (sem convênio)
Estrutura: ar condicionado, acesso para deficientes, área para fumantes e enfermaria

SETORES / PREÇOS (1º lote)
- Pista meia/promocional*: R$100
- Área Gold/promocional*: R$ 250
- Mezanino meia/promocional*: R$ 180,00
*O ingresso promocional antecipado é válido mediante a entrega de 1 kg de alimento não-perecível na entrada do evento.
# COMPRA PELA INTERNET –
https://ticketbrasil.com.br/festa/6523-toplinkmusic-saopaulo-sp/
# PONTO DE VENDA OFICIAL (sem taxa de serviço): bilheteria Tropical Butantã


SAGA HC: revela capa do novo álbum e libera dois singles que estarão presentes em “Verdadeiros Marginais”
Um dos nomes mais pesados do Hardcore nordestino, a banda SAGA HC, apresenta ao público a capa de seu mais novo registro de estúdio e que será disponibilizado, muito em breve, para audição completa em todas as plataformas de Streaming.

Intitulado de “Verdadeiros Marginais” o novo registro contará com seis faixas inéditas. O primeiro single já pode conferido em vídeo que foi disponibilizado no canal de YouTubeda banda. A música que carrega o nome do álbum, obtém imagens da apresentação ao vivo do SAGA HC no “Festival Garage Sounds” realizado em Recife.

Confira o novo single:

As músicas de “Verdadeiros Marginais” expõem em suas letras, críticas pesadas sobre as desigualdades sociais, corrupção e os preconceitos famigerados entre classes sociais, opções sexuais, raça e etnia. Assuntos que sempre fizeram parte de todo o processo de criação do SAGA HC, que é uma referência no estilo e sempre atuou em prol da igualdade e justiça social.

Além da música que carrega o nome do EP, outra faixa que estará presente no álbum “Verdadeiro Marginais”, está disponível para visualização no YoTube da banda. OLyric Vídeo da faixa “Espancando o Preconceito”, é uma obra em animação, por sinal, muito bem-feita que mostra como esse novo material irá chegar com força e excelentes referências. Confira:

O EP “Verdadeiros Marginais” será lançado oficialmente entre o fim de abril e início de maio em todas as plataformas de Streaming. Siga o SAGA HC em suas redes sociais e mantenha-se informado de todas as novidades e lançamentos do grupo. A arte é uma criação de Kin Noise, ilustrador que assina várias obras de artista do mundo todo.

Formação:
Beto (Voz)
André Arruda (Guitarra)
Kleber (Guitarra)
Marcelo (Baixo)
Paulinho (Bateria)
Mais informações:


CORRAM PARA AS COLINAS: “criamos um clipe que mostre a cara da banda, sem artifícios de roteiro, algo na cara e direto”, explica Gustavo Slomp, baixista e vocalista, sobre o novo clipe da banda
Elaborado sobre um conceito simplista, o novo clipe do Corram Para as Colinas, mesmo utilizando de recursos mais básicos, é uma criação genial que apresenta com maestria toda a energia e peso do grupo curitibano.

A música “Dilúvio”, presente no EP de estreia “Desalmado (do Boquera ao Largo), foi a faixa escolhida para o novo clipe. A banda escolheu um barracão de fábrica abandonado como cenário e utilizando de elementos do próprio local, sujaram ainda mais o ambiente e criaram uma rede de iluminação para dar início às ações de captações e filmagens, tudo elaborado de forma natural e com foco total nos músicos executando a música.

Confira o clipe Dilúvio:

O baixista e vocalista, Gustavo Slomp, revelou o que a banda criou em todo o processo de criação do novo videoclipe: “O conceito foi bem simples e direto, criar um clipe que mostrasse a cara da banda, sem artifícios de roteiro e elementos extras. Ao contrário do clipe de Desalmado (do Boquera ao largo), que teve um roteiro, várias locações, atriz e figurantes, o clipe de Dilúvio se preocupou em mostrar a energia da banda "ao vivo", à vontade fazendo aquilo que mais amam fazer, que é tocar.

Ainda em 2019, o Corram Para as Colinas, estará disponibilizando oficialmente, um novo registro de estúdio com faixas inéditas. O processo ainda está em fase inicial de produção e muito em breve, detalhes do novo registro será informado pelo grupo.

Formação:
Gustavo Slomp – vocal, baixo
Marcio D’avila – vocal, guitarra
André Wlodarczyk – bateria

MAIS INFORMAÇÕES:


DO CULTO AO COMA: confira agora a sua versão da música “Como Nossos Pais” 
A banda paulista DO CULTO AO COMA lançou recentemente a sua versão para a clássica “Como Nossos Pais”, canção composta por Belchior e eternizada na voz de Elis Regina, que fará parte do track list do álbum “Breaking Frontiers: A Tribute To Brazilian Music”.
O projeto “Breaking Frontiers: A Tribute To Brazilian Music” consiste no lançamento de um álbum, nos formatos físico e digital, em homenagem aos grandes ícones dmúsica brasileira, através de releituras dos grandes clássicos de bandas como Angra, Viper, Sepultura, Andre Matos, RDP, KrisiunOverdose, Volkana, entre outros.
Algumas das outras bandas já confirmadas no álbum são: Newsonic, Degola, Underhate Hellflight.
O referido trabalho será lançado no segundo semestre de 2019, através da MS Metal Records, com distribuição no Brasil e Europa pela Voice Music e MS Metal Records Europa.
Para mais informações sobre este e outros lançamentos, basta entrar em contato com a empresa através do e-mailcontato@msmetalagencybrasil.com.
Em paralelo, o DO CULTO AO COMA confirmou recentemente que reabriu a sua agenda de shows. Para mais informações sobre como contratar o grupo, para shows no Brasil e exterior, basta entrar em contato através do e-mail contato@msmetalagencybrasil.com.
Para mais informações sobre as atividades da banda DO CULTO AO COMA e dos demais artistas da empresa, basta entrar em contato com a MS Metal Press através do e-mail contato@msmetalagencybrasil.com.


HEADHUNTER DC: edição especial de “Punishment at Dawn” e split são lançados no Brasil
O segundo álbum da Headhunter DC, “Punishment at Dawn” (1993), completou 25 anos em 2018 e, para celebrar este aniversário, a Mutilation Records e Cogumelo Records resolveram relançar esta obra em versão deluxe, com adição de mais materiais.
Trata-se de um lançamento à altura da importância e relevância que o álbum tem para a cena death metal sul-americana e, por que não dizer, mundial? Por isso estou muito contente e satisfeito em ver essa edição de 25° aniversário finalmente lançada e disponível aos fãs”, anima-se Sérgio Baloff, vocalista.
Um projeto como este abraçou o primeiro álbum, “Born…Suffer…Die” (1991), quando alcançou a mesma marca em 2016, resultando em uma ótima experiência que gerou expectativa para este segundo momento.
A poderosa parceria entre a Mutilation e a Cogumelo Records mais uma vez gerou algo de muita qualidade e que certamente agradará os fãs e admiradores da banda, sejam das mais antigas ou das mais novas gerações de seguidores da morte total em forma de música extrema!”, defende.
Apesar de “Punishment at Dawn” ter surgido em uma época em que o underground se entrelaçava mais ao “subsolo”, enquanto que a indústria musical observava mais a cena grunge e seus derivados ditados pela MTV, os músicos da Headhunter DC. mantiveram o pé firme no death metal clássico e, hoje, 25 anos depois, a mesma proposta corre inabalável em suas veias.
Temos muito orgulho em termos lançado ‘Punishment at Dawn’ numa época em que o death metal já estava começando a ficar desacreditado pelos modistas aqui no Brasil, assim como em testemunharmos que, após 25 anos de seu lançamento, ainda trata-se de um álbum de referência em se tratando de metal da morte brasileiro perante o mundo, portanto, encorajo a todos a adquirirem essa edição mais do que especial do álbum e terem em mãos um pedaço da história do metal extremo feito do lado de cá do planeta”, convida.
O relançamento de “Punishment at Dawn”, vem em formato digipack, com CD remasterizado e DVD bônus contendo um show gravado em 1994, na Concha Acústica de Salvador/BA, e uma entrevista ao programa Vídeo Jovem, que era transmitido em rede aberta pela Bahia. Além disso, o material traz uma galeria de imagens de momentos importantes da banda, como fotos promocionais, fotos de arquivo pessoal, reportagens e cartazes.
Paralelo ao relançamento da Mutilation e Cogumelo, sai também em 2019, “Anthems of Blood, Fire & Death – A Brazilian Tribute to Bathory” da Misanthropic Records, com as bandas Posthumous (trazendo uma versão para “Reaper”) e Tripalium (tributando em “Raise the Dead”), dividindo o 3 way split 7’’ com Headhunter DC ao lado A do vinil, com “Total Destruction/Reap of Evil (epilogue)”.
Ambos os lançamentos servem para, além de amenizar um pouco a demora no lançamento de nosso novo álbum, também mostrar que nos mantemos mais do que ativos e lançando materiais em nossa discografia”, explica e encerra Baloff.
Headhunter D.C. é formada por:
Sérgio “Baloff” Borges (vocal)
George Lessa (guitarra)
Tony Assis (guitarra)
Zulbert Buery (baixo)
Daniel Brandão (bateria)
Acompanhe a banda pelo streaming
Spotify:
Deezer:
Napster:
Google Play:
Amazon Music:
Contato


PROFANITY lança vídeo playthrough
Os alemães do Profanity publicaram um vídeo para a faixa "The Great Obstacle", que saiu do último full da banda "The Art Of Sickness", lançado em 2017 pela Apostasy Records.

O playthrough da guitarra é tocado pelo guitarrista da banda Thomas Sartor e você pode assistir ao vídeo neste local:  https://www.youtube.com/watch? v=le10Grgh4cM

PROFANITY Facebook:

PROFANITY homepage:
www.Profanity.de

Song "Recreating Bliss" from "The Art Of Sickness"
https://www.youtube.com/watch? v=SZo-YbD8suY

Song "Who Leaves Stays" from "The Art Of Sickness"
https://www.youtube.com/watch? v=h2Igu9753SE

PROFANITY youtube-channel:
http://www.youtube.com/c/ PROFANITYdeath

PROFANITY shop:
http://profanitydeathmetal. bigcartel.com/

PROFANITY  bandcamp:
https://profanitydeathmetal. bandcamp.com/

PROFANITY twitter:
https://mobile.twitter.com/ PROFANITY_blast

PROFANITY Instagram:
https://www.instagram.com/ profanity_death_metal/


KING SATAN lança cover de música do Game of Thrones
Enquanto aguarda os anúncios sobre o álbum seguinte para a estreia da banda "King Fucking Satan" (2017), a KING SATAN gravou cover de metal industrial da música "Rains Of Castamere" que é mais conhecida como a Canção Lannister da série de sucesso da HBO Game Of Thrones.

O vocalista King Aleister Satan, um ávido fã da série, comenta na capa: “Somos todos grandes fãs da série! Estamos tristes em ver a série terminar depois desta temporada e queríamos prestar homenagem na forma de uma música cover de uma das melhores faixas da série!”

Canção:

Links:

Obs.: As notas publicadas nesta seção são de responsabilidade das assessorias das bandas/artistas.

Shinigami Records