quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

In Lo(u)co: Os shows que eu não fui...




Por Adalberto Belgamo

Dinheiro, tempo, responsabilidades profissionais (leia-se dinheiro curto para pagar contas – risos), cansaço e preguiça fizeram com que eu perdesse shows de bandas memoráveis, inclusive favoritas da casa.
   
Ramones

Ouço a banda desde a minha “aborrecência”. Lembro de emprestar vinis e gravar fitinhas cassetes em um gravador Philips, direto de uma sonatinha ninja adaptada. Para não dizer que não falei em flores (risos), vi o CJ em uma das edições do Araraquara Rock, festival que acontece todos os anos em Texascoara.




R.E.M.

Quando veio ao Rock in Rio, além de desempregado e quebrado, estava dodói (risos). Não consegui (não tive coragem) ver o show pela TV. Assisti um mês depois. Consegui (finalmente!) em 2008 no extinto Via Funchal! Foi surreal. Quem tem paixão por música e a leva como trilha sonora de bons e maus momentos entende a concepção. Ano passado, consegui uma cópia do “Green” (1988) autografada pela banda no hotel!




Heaven and Hell

Vieram em 2009. Além da adoração pelo Tony Iommi, o melhor vocalista de Metal (na opinião de quem vos escreve) – o Dio – passava pela última vez por solos brasileiros. Triste. Pelo menos vi a mesma formação no show do Sabbath em 1992 na tour do “Dehumanizer” (1992).




Nirvana

Para quem acompanhava a banda desde o final dos anos 80 e viu a explosão musical na década seguinte, o sentimento ridículo de “posse daquela banda underground preferida” (não façam isso crianças – risos) deu o ar da graça. Arrependimento mórbido! Independente da qualidade “de propósito” dos shows no Brasil (o restante da turnê sul-americana ficou dentro dos padrões “normais” da banda), o momento foi histórico. Pelo menos consegui ver no dia seguinte o Alice in Chains com o Laney (Staley, vocalista que faleceu por overdose em 2002).




Anthrax

Espero ver o Scott Ian no palco antes que a banda acabe! A oportunidade mais próxima foi a de abertura do show do Maiden. Joelho operado. Sem mais. (risos)




Festival SWU 2011

Perdi Ash, Down, 311 e BRMC em 2011 por questões “logísticas”. A van alugada chegou ao local do festival no início do show do Sonic Youth. Fazer o quê?

Conselho: não percam shows de seus artistas/bandas preferidos! Vendam um rim por “cascaio”, peçam demissão do trabalho (mesmo com toda a crise econômica - risos) ou arranjem outra família! Mas nunca! Nunca mesmo! Deixem de ver shows das bandas, que fizeram (ou fazem) parte das suas vidas! Os momentos vividos proporcionarão memórias inesquecíveis para contar nos churras e festas da vida, inclusive proporcionado vergonha alheia! (risos).


Inté!

*Adalberto Belgamo é professor, atuando no museu (sem ser peça... ainda - risos), colaborador do Arte Metal, além de ser Parmerista, devorador de música boa, livros, filmes e seriados. Um verdadeiro anarquista fanfarrão.

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Attanos – “Renewall”


(2018 – Nacional)

Independente

Oriunda de Jundiái/SP, a banda Attanos meio que se limitou em seu release ao se definir como uma banda de Metalcore. Afinal, o que encontramos no debut do quarteto vai muito além disso. Lembrando que a banda, fundada em 2012, lançou dois EP’s antes deste trabalho.

Ao ouvirmos “Renewal” vemos que a banda bebe sim na fonte do Metalcore, mais além disso, traz muitos outros aspectos. Primeiro que o grupo não mede na dosagem de peso, segundo que a banda foge um pouco dos clichês comerciais do estilo e por último que aplicam bem a dose melódica do negócio.

Em alguns momentos a banda beira o Deathcore e outro fator que impressiona na sonoridade contida no trabalho é a boa dose de ‘groove’, mas tão bem inclusa, que evita de o som se tornar ‘pula-pula’ demais. Tudo bem timbrado, com bases sólidas e uma sessão rítmica precisa.

A cada audição, o trabalho fica mais interessante e fica difícil apontar uma ou outra faixa, pois cada uma se destaca ao seu modo. Mas, depois de dezenas de ouvidas, sempre Resignation, Choices, Sunset e The Fact and The Reason chamam atenção. Uma bela estreia.


8,5

Vitor Franceschini



Arte News: APTO VULGAR anuncia lançamento de single via Electric Funeral Records


APTO VULGAR anuncia lançamento de single via Electric Funeral Records 

Banda lança faixa nova em dezembro

A banda formada por Bonzo (vocal) Dorgs (Guitarra) Luciano Leres (Bateria) e Rafael "Mortão" (baixo), anuncia o lançamento de novo single intitulado "Ainda Estamos Aqui" dia 19 de dezembro em todas as plataformas digitais via Electric Funeral Records.

O grupo aposta em uma música pesada, com letras em português e sem medo de passar a mensagem das dificuldades que enfrentamos em nosso país nos dias de hoje.
Prometendo muito peso e consistência, e uma composição visceral e com passagens brutais, Apto Vulgar, reforça mais uma vez que seu hardcore venho pra ficar.
O quarteto segue rompendo barreiras e se estabelecendo no topo como uma das bandas de maior influência da nova safra do HC.  


SEGREGATORUM: Assista ao lyric vídeo do novo single, “Nourished Wounds”
A banda SEGREGATORUM foi fundada em 2016 na cidade de Bento Gonçalves/RS, tendo como objetivo buscar uma sonoridade própria dentro de suas influências Death/Doom Metal. Seu primeiro EP, intitulado “Death Bells” foi lançado em 2017, apresentando uma temática sombria e misteriosa, referente às imperfeições, falhas e corrupções humanas, com letras descrevendo os sete pecados capitais. O termo “segregatorum” descende do Latim, que significa “isolado”, fazendo menção às pessoas individualistas, que vivem para si mesmas. Mas primeiramente, o nome da banda surgiu da música “Isolate”, do Paradise Lost, uma grande influência para todos os integrantes.

Em 2019 a SEGREGATORUM entrou em estúdio para gravar seu primeiro full length, intitulado “Lemarchand’s Dominus”, mixado e masterizado por Ernani Savaris da SoundStorm Studio. O álbum contará com 10 faixas, sendo três faixas remasterizadas do primeiro EP e sete faixas inéditas e será lançado em março de 2020. Sobre o aguardado debut, o vocalista Lucas A. Lazzarotto comenta: “O primeiro álbum de uma banda, geralmente, é sempre um dos mais marcantes, pois todas as bandas olham para traz, para se inspirar e se basear e olham para o futuro, para quem sabe fazer melhor ainda. Estamos planejando este álbum há quatro anos, tempo mais do que suficiente para deixar as composições alinhadas e bem acabadas. Acreditamos que este trabalho irá nos trazer o devido reconhecimento e principalmente exibir, para o resto do mundo, a nossa cena forte do Metal Nacional, que está em constante renovação.”.

Antes do álbum, porém, Lucas A. Lazzarotto (vocal), Igor Alves Bidigaray e Luiz Felipe Dias Flores (guitarras), Lucas Carbonera (baixo) e Carlos Acosta (bateria) lançam o single para a música “Nourished Wounds (Elysium Part I)”, também disponibilizada em formato de lyric vídeo. Segundo Lazzarotto, a música “traz em sua letra uma dos conceitos centrais da temática, cuja qual, é evidenciada em todo álbum, que é as imperfeições, falhas e corrupções humanas, mais precisamente os sete pecados capitais, juntamente, com as práticas pecaminosas realizadas pelo ser humano, no qual, a letra cita, que é um ritual que cometemos (in)voluntariamente e praticamente a todo momento, juntamente, com a sua busca insaciável pelo prazer carnal, fazendo referência também ao filme Hellraiser, dirigido e produzido por Clive Barker.”
 
A música condensa todas as influências e experiência dos músicos ao longo de vários anos dedicados ao som pesado com outras bandas e projetos. Embora a SEGREGATORUM tenha sido formada em 2017, o quinteto já é conhecido nos palcos gaúchos, e com “Nourished Wounds” buscam iniciar uma nova etapa em sua carreira. O mix de influências é explicado em detalhes por Lazzarotto, que também fala sobre a estrutura da música e seus variados detalhes: “A estrutura da música começa com um clima de mistério, pois precisávamos de uma introdução que prende o ouvinte, até o momento que o riff introdutório ganhasse corpo, um riff ao qual, buscamos relembrar o peso e os épicos riffs do Candlemass, após esta introdução, o parágrafo, começa com um riff arrastado e com um vocal “quase limpo”, com a intenção de matar a saudade do Sentenced, pois a princípio aqui era destacar a melodia e o ritmo xamânico, remetendo o ouvinte numa espécie de ritual, na segundo parte do parágrafo, ocorre uma transição tanto nos vocais e também na percussão, para gerar certa aflição e expectativa ao ouvinte, enfim, chegamos ao refrão, sempre procuramos dar ênfase e gerar capricho nas melodias das músicas, por tanto este refrão se vende fácil aos ouvidos, o vocal do refrão é rasgado e agressivo, tipo Enthroned, Marduk e Carcass, já o riff do instrumental, é pesado e melódico, mas empolgante, relembrando bandas de Death Metal como Hypocrisy e Bloodbath, convergindo deslumbrantemente. No interlúdio da música aparece o riff mais melódico da composição, lembrando o velho Paradise Lost, nossa principal influência. Este riff vem acompanhado de um vocal rasgado, justamente para contrapor a beleza da melodia, fazendo o casamento perfeito. No final ainda repetimos mais uma vez o refrão, para ficar grudado no seu córtex.”.


Assista ao lyric vídeo:
https://youtu.be/siahEqk3ua4


VIOLÊNCIA MORAL encerra o ano com show em Curitiba no domingo (15/12)
A banda Violência Moral, de Ribeirão Preto (São Paulo), se apresenta pela primeira vez em Curitiba, no palco do Hangar - A Casa do Ócio. Será a última apresentação da banda em 2019. Acompanham os paulistas as bandas Exylle, Impested e Legacy of Kain, essa, que divulga o álbum Paralelo XI, que vem obtendo boa recepção de público e crítica.

O show com as quatro bandas acontece no Hangar, dia 15 de dezembro, a partir das 16h. Os ingressos antecipados custam R$ 15 e estão disponíveis no site Sympla. No dia do show, os convites custarão 20 reais.

O Hangar - A Casa do Ócio é um espaço cultural diversificado, que recebe shows musicais, workshops, oficinas, palestras e demais atividades visando o desenvolvimento artístico e cultural da cidade. A casa a sua marca vem dos anos 90, e desde aquela época o local é uma referência do Rock e da música ao vivo na cidade.

SERVIÇO
Data: 15 de dezembro de 2019 (domingo)
Local: Hangar - A Casa do Ócio
Endereço: Al. Dr. Muricy, 1091 - Largo da Ordem
Horário: 16h (abertura da casa)
Ingressos: R$ 15 (antecipado)


VIDEOS
GUARANI KAIOWÁ

WORLDWIDE SUICIDE


ÚLTIMO SOPRO é destaque do Solstício de Som Verão 2019

Banda integra o line-up de sexta-feira

Último Sopro apresenta riffs agressivos, melodias intensas e vocais marcantes, que transmitem uma sonoridade moderna, com músicas que abordam temas atuais da sociedade e conflitos do cotidiano. Formada por Rafael Fesaro (Vocal), Rodolfo Costa (Guitarra) Romulo Brito (Guitarra) David Fortunato (Baixo) e Júlio César (Bateria), o quinteto segue promovendo seu último trabalho lançado via Electric Funeral Records.

A banda que é um dos grandes destaques da edição do Solstício de Som Verão 2019, se apresenta dia 20 de dezembro (sexta-feira) as 21h30 como a atração que encerra os shows do dia.

Confira o último lançamento da Último Sopro:
Assista o clipe:

Solstício do Som 19 - Verão 2019
Casa Inspira - 18 a 22 de dezembro
(Av. Barão do Rio Branco, 1062 - Centro - Petrópolis) 


MIND'S COVE lança novo vídeo
A banda italiana de metal melódico MIND'S COVE lançou um vídeo para "Broken Stones". Confia no link abaixo:


Há um lugar dentro de nós onde o coletivo de nossos pensamentos, memórias, experiências e percepções cria tacitamente algo além das expectativas, esperando ser trazido à luz.

Mais informações:


ARCAINE assina com novo selo e dá detalhes do novo álbum
O Arcaine da Suíça, que cria um som brutal com sua mistura de Death Metal técnico e melódico, é o mais novo membro da família Black Sunset / MDD! Seu álbum de estreia foi gravado em 2019 no Studio Blue Wonder em Chur.

Definido para um lançamento no início de 2020, "As Life Decays", que foi precedido por um EP intitulado "Depths" em 2015, contará com 9 faixas! Esteja preparado!

Ligações:
https://www.facebook.com/arcaineofficial/
https://arcainemetal.com/


CORONA NIMBUS lança single com participação de Cris Botarelli (Far From Alaska)

Duo lança material via Electric Funeral Records

Corona Nimbus é a união de forças distintas dos músicos Júlio Baros e Junior Vieira. A banda de Teresina-PI traz no som o peso ardente dos flancos áridos da região nordeste e ao mesmo tempo as entorpecentes ondas sonoras das enxurradas que lavam nossos corpos ano após ano!

O duo explora o conceito de dualidade expresso pelos integrantes, usando referências como o yin e yang, o velho e o novo, o pesado e o leve, calor do deserto e o frio das profundezas oceânicas, assim, trazendo à tona também através desses elementos, o lado mais íntimo, o desejo mais profundo e verdadeiro do ser humano.

O segundo single da banda intitulado "Beyond Chaos", acaba de ser lançado em todas as plataformas de streaming via Electric Funeral Records. A faixa aborda o tema relacionamento abusivo, porém, no contexto homossexual, onde nem tudo é o que parece ser, uma realidade alternativa, um paralelo entre os desejos e a vida real, uma verdadeira linha tênue que se encontra além do caos!

A música conta com participação de Cris Botarelli (Far From Alaska) no apsteel e backing vocals, produção, mix e master por Iago Guimarães no estúdio Casinha Lab, co-produção de Nildo Gonzalez e gravado em Studio 202  

Confira aqui "Beyond Chaos":


PIERCING IMMORTALITY lança novo EP

A banda americana de Heavy Metal, Piercing Immortality, lançou seu novo EP, “Risen from the Ashes”. O EP foi gravado no Dexters Lab Studios e mixado por Nick Bellmore, masterizado por Chris Zeus Harris.


A Piercing Immortality foi formada em 2016 em Bristol, Connecticut pelo guitarrista Keith Pearson. Em 2018, a banda lançou seu EP de estreia "Systematic Global Poisoning".


Obs.: As notas publicadas nesta seção são de responsabilidade das assessorias das bandas/artistas.

Shinigami Records