quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Entrevista Especial



Por Vitor Franceschini
Colaboração extrema de Christiano K.O.D.A. (www.somextremo.blogspot.com

São cinco anos assessorando dezenas de bandas do Metal nacional em todo o território brasileiro. Mas o casal Débora Brandão e Rodrigo Balan vêm trabalhando em prol do fortalecimento do Metal do Brasil há ainda mais tempo e vivem intensamente por isso. Saindo um pouco da ‘rotina’ do blog, fizemos essa entrevista especial com os proprietários da Metal Media Management que nos contou sobre esses 5 anos de assessoria, além de fatos curiosos e muito mais. Parabéns Débora e Rodrigo, que seja longo o caminho percorrido nesta batalha!
Como surgiu a ideia de trabalhar como assessoria de imprensa de bandas de Metal?
Débora: Iniciamos em 2007, como uma “extensão” da FreeMind Records, gravadora que o Rodrigo tinha na época. As poucas empresas que existiam ou não tinham vagas ou não supriam as necessidades da FreeMind, então começamos a fazer o próprio trabalho não só de divulgação como burocrático e logístico que as bandas e o selo necessitavam. Felizmente as bandas do selo ficaram bem satisfeitas com o trabalho e foram indicando o serviço para outros grupos e decidimos estender a assessoria para demais bandas. Assim nasceu a Metal Media.

Como avaliam esses 5 anos de assessoria?
Débora: Acima de tudo, foram cinco anos de aprendizado! A assessoria de comunicação no meio musical, especialmente dentro da música extrema, é bem diferente dos demais serviços na área. Claro que o que é aprendido nas faculdades de Jornalismo e Gestão é importante, mas a vivência dentro do meio é essencial, pois é uma área muito específica e muitas coisas que funcionam em empresas comuns não funcionam em nosso cenário, o que demanda muitas adaptações.
Rodrigo: Foram anos muito divertidos. Eu poderia dizer que foram anos extremamente difíceis, mas dificuldades se têm em qualquer função que você se propõe a executar. Como a Débora disse, aprendizado é uma palavra que descreve bem esse período e espero que possamos aprender até o último dia da Metal Media. Muitas vezes eu fico olhando para nosso rol de artistas e me sinto muito afortunado em poder trabalhar e ter trabalhado com tantas bandas magníficas.

Quais os maiores desafios que já enfrentaram?
Rodrigo: Eu trato desafios sem pensar em seu tamanho. Se fossemos levar em conta as dificuldades diárias, já tínhamos voltado a ter empregos normais (risos). Mas creio que os principais desafios são os mesmos das bandas: Conseguir seu espaço, seu reconhecimento. Ter que lidar com um meio onde ainda falta muito profissionalismo e que é extremamente fechado, não facilita.


Hoje, é mais fácil ou difícil sobreviver de uma assessoria de bandas? Por quê?
Débora: É SEMPRE difícil sobreviver no meio musical, ainda mais no Heavy Metal... Pior ainda no Brasil. Mas estamos em nosso melhor momento e com a experiência adquirida nesse tempo as coisas vão acontecendo de forma mais fluente, mas nunca é fácil, precisamos sempre melhorar, reinventar... Trabalhamos exclusivamente com a Metal Media, não temos outros serviços, então nos dedicamos 100% às nossas bandas. Isso inclui trabalhar até de madrugada, finais de semana, feriados...

Como é o dia a dia de vocês? Imagino que seja bem corrido cuidar de mais de 40 bandas, em somente duas pessoas.
Débora: Realmente é sempre corrido. Temos um escritório e iniciamos o serviço sempre às 8hs, sem horário pra terminar. Como eu disse anteriormente, também trabalhamos aos sábados, domingos e feriados. O serviço não é apenas de confecção de notícias e envio à imprensa. Cada banda tem uma necessidade diferente e temos que nos adaptar a mais de 40 formas de trabalho distintas. Então há bandas que demandam notas semanais, outras que estão em fase de resoluções internas e que necessitam de um serviço diferente da “Assessoria de Imprensa” de fato, mas que também fazemos. Muitas bandas nos vêem como um integrante, e costumamos dizer que, tirando tocar e agendar shows, fazemos todo o restante que a banda necessita!
Rodrigo: (risos) Chega a ser até engraçado, algumas vezes as bandas ficam até “bravas” por fazermos algo de “fora” do serviço combinado, mas quando assumimos uma parceria é uma parceria MESMO. O que podemos fazer pelas bandas e sabemos que podemos fazer de forma, no mínimo satisfatória, nós fazemos com o maior prazer! Só não nos chamem pra tocar (risos).

Sei que vocês não trabalham com a organização, na prática, de shows. Por que isso?
Rodrigo: Por uma questão prática mesmo. Além de não termos o know-how suficiente, não existe no Brasil um circuito real de shows como acontece na Europa ou nos EUA, por exemplo. Como poderíamos oferecer para uma banda um serviço que não poderíamos cumprir? De uns tempos pra cá temos nos envolvido mais com festivais e eventos encabeçados pelas bandas que assessoramos, como Panzer Fest e o Brutologos, e tem sido muito divertido.

Não pensam em promover festivais sob o nome Metal Media?
Débora: A ideia do festival é tentadora (risos) e sempre tem pessoas e bandas perguntando a respeito. Mas fica extremamente complicado promover um festival deste tamanho, que atendesse todas as bandas da empresa, ou pelo menos uma boa parcela delas, não só pelos custos envolvidos como pela logística e, principalmente, pelo fato de termos bandas espalhadas por todo o Brasil. Em 2011 algumas bandas promoveram eventos isolados sob o nome de Metal Media Fest, com nossa autorização, contando com nossas bandas: Em Campo Grande/MS o RHEVAN fez uma edição do evento, que contou com o próprio Rhevan (MS), Deadly Curse (GO), Lycanthropy (MG) – esta banda terminou e um dos membros formou o Scibex - e ShadowsLegacy (MS). Em São Paulo o baterista Edson Graseffi também promoveu uma edição, que contou com a banda dele na época Reviolence – hoje ele retomou as atividades no Panzer -, HellArise e Woslom, todas de São Paulo mesmo. Mas não descartamos a possibilidade de voltar a acontecer, pois tem algumas bandas se mobilizando pra mais edições do Metal Media Fest.

O que uma banda precisa para ser assessorada por vocês, exceto o lado financeiro da coisa?
Rodrigo: (risos) Apesar de soar meio “mercenário” demais, como você disse, nosso serviço é cobrado, como qualquer serviço. Mas só isso não capacita uma banda para trabalhar conosco. Um dos principais quesitos é termos vagas (risos). Assim que vamos assentando as bandas que entraram por último acabamos abrindo algumas outras, ou quando uma banda sai. Qualquer banda pode trabalhar com a gente, não temos essa de banda grande, banda pequena, banda rica, banda pobre. Temos que primeiro nos identificar com o som, depois com a banda. Quando digo me identificar com a banda quero dizer que a banda precisa estar disposta a fazer uma troca, estar disposta a ouvir e o principal: trabalhar MUITO. Algumas bandas pensam que entrar para uma assessoria já resolve seus problemas. Eu digo o contrário, trabalhar com a gente é LITERALMENTE trabalhar com a gente (risos).

Quais as situações mais bizarras pelas quais já passaram? Lembro que há uns meses certa banda estava "causando" e importunando vocês (risos)
Débora: Olha, situações bizarras são frequentes (risos). O caso desta banda que você citou foi algo totalmente bizarro mesmo. Respondemos TODAS as bandas que entram em contato conosco, mesmo não tendo vagas da empresa, o que foi o caso desta banda, então eles começaram a dar chiliques no Facebook. Apesar de ter sido algo sério, pois eles inventaram coisas horríveis sobre a Metal Media, acabamos levando na brincadeira. Há também algumas pessoas que tentam derrubar a empresa. Mas acho que isso é com todo mundo que se esforça para ser honesto e fazer um bom trabalho. Nossa maior conquista nesses 5 anos foi a nossa credibilidade, então casos como os citados acima não atrapalham em nada. Ahhh! Tem também os e-mails que recebemos de bandas procurando assessoria, tem alguns que são difíceis de acreditar...
Rodrigo: Realmente o lance dessa banda passou dos limites, mas depois ficamos sabendo que são pessoas problemáticas por natureza mesmo, a vida seguiu e eles foram esquecidos. Como a Débora disse os lances mais bizarros vem dos e-mails que recebemos de bandas querendo “dar uma chance” pra gente. Normalmente são bandas de Pop Rock que não tem nada a ver com nosso mundo e apenas abstraímos depois de boas risadas. As bandas de Metal podem até não entender nossa proposta, mas são respeitosas.

Sabemos que vocês são profissionais e tratam das bandas de seu cast com a mesma dedicação, sem distinção. Mas musicalmente, quais as bandas que vocês mais curtem?
Débora: Que maldade essa pergunta!!! Eu tenho quase 50 bandas preferidas e, coincidentemente, todas elas estão nesse site aqui: http://goo.gl/ZmQ3Yo. Bom, mas fora nossas preferidas, eu “vim” do Thrash e do Death Metal, estilos que eu montei bandas na época que achava que tocava baixo. Mas escuto de tudo um pouco.
Rodrigo: Eu já tenho uma piadinha pronta sobre isso: “Antes da Metal Media, minha banda número um era o Iron Maiden, e no exato momento ela é a quadragésima quinta” (risos). Não tem como ter uma preferida, talvez se fosse por tempo “de casa” seria o Krow, que é a banda que está com a gente desde o comecinho. Mas que pai que ama menos um filho que o outro? Como eu disse, só a honra de poder trabalhar com tanta banda foda é indescritível.

Quais as perspectivas para os próximos 5 anos?
Rodrigo: Trabalho, trabalho e mais trabalho. Pode soar clichê, mas trabalho é algo que nos anima muito. Estamos sempre com novas ideias, novas propostas e queremos cada vez mais ajudar nossas bandas e o cenário brasileiro em geral a realmente ser viável. Relevante musicalmente ele já é, agora falta fazer com que as pessoas merecedoras lucrem e se profissionalizem cada vez mais para enfim não dependermos de migalhas de mais ninguém. Outro projeto é internacionalizar cada vez mais nosso serviço. Quem trabalha com isso sabe como é difícil quebrar essas barreiras, mas estamos fazendo isso, a pequenos passos, mas sólidos. Hoje nosso site em inglês já corresponde a 38% das visitações diárias.

Parabéns pelo trabalho e muito obrigado pela entrevista e pela parceria. Que seja de sucesso sempre!
Débora: Nós que agradecemos pela oportunidade de apresentarmos nosso trabalho e, principalmente, por todo o apoio e parceria que você nos dá todos esses anos. É por causa de pessoas como você que o nosso trabalho é possível! MUITO OBRIGADA!
Rodrigo: Sem palavras, meu irmão. Apesar de eu sempre estranhar responder entrevistas (risos). Só temos a agradecer a você, ao Arte Metal e a todos esses caras que tiram do fundo do coração força para fazer esse trabalho lindo em prol do Metal Brazuca e mundial. Vocês sabem de quem eu estou falando ;) MUITO OBRIGADO!!!!!!!! Por fim um abraço aos colegas das outras assessorias que fazem um trabalho sério e honesto.



Baixe a coletânea em comemoração dos 5 anos da Metal Media. São 44 bandas do cenário metálico brasileiro:

Mais informações:

3 comentários:

  1. Sem palavras pra agradecer, meu irmão! Um abraço também para o K.O.D.A. - Vocês são fodas!!!!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns a Metal Media pelo trabalho nesses 5 anos. Gostei muito da entrevista.

    ResponderExcluir
  3. Excelente entrevista! Pessoas gabaritadíssimas!

    Leandro T-Böne

    ResponderExcluir

Shinigami Records