terça-feira, 22 de setembro de 2015

Kamala – “Mantra” – 2015 – Independente (Nacional)

Às vezes uma reformulação, mesmo que forçada, faz bem a uma banda. O Kamala é um destes casos, já que após uma turnê na Europa, sobrou apenas Raphael Olmos (vocal/guitarra) que trouxe à banda Estevan Furlan (bateria/vocal) e Allan Malavasi (baixo) retomando as rédeas do grupo.

Mesmo a banda tendo três álbuns de qualidade, dois deles muito acima da média (“Fractal” de 2009 e “The Seven Deadly Chakras” de 2012), “Mantra” eleva e muito a característica da banda por se tratar de um disco acima de tudo potente, robusto e muito, mas muito impactante.

Apesar de a essência Thrash Metal ser mantida, a banda sai do convencional e adiciona uma dose extra de peso às suas composições, levadas diferenciadas, uma dose bem leve de ‘groove’, além de um flerte fatal com o Death Metal. Tudo soando atual, sem querer correr demais e muito menos cair de costas no braço do ‘old school’.

Com produção de Guilherme Malosso (também mixagem e masterização) e Yuri Camargo, a sonoridade atingida soa atual, mas a musicalidade encontrada se mostra atemporal, tamanha a versatilidade e sobriedade encontrada nas oito músicas (além da introdução).

Há técnica, com guitarras cheias de bases excelentes e uma cozinha com pegada, mas em momento algum a banda sobrepõe isso em cima da energia e agressividade contida no álbum. O trabalho vocal com guturais versáteis que conta com ‘backings’ também guturais, mas de timbres diferentes, é outro ponto positivo encontrado em “Mantra”.

Mantra, What We Deserve e a brutal Becoming A Stone podem ser o destaque, mas o que mais merece menção aqui é como a banda consegue fazer um estilo tão explorado, requentado e cultuado soar interessante, diferente e empolgante, totalmente adaptado aos tempos atuais sem ser tendencioso. O melhor da banda até então.


9,0

Vitor Franceschini


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Shinigami Records