quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Accept: "Nós estamos realmente felizes"



Por Vitor Franceschini

Prestes a desembarcar no Brasil, onde realizará seis apresentações à partir de amanhã (São Paulo, Fortaleza, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Florianópolis), o Accept desfruta hoje do mesmo status que o consagrou na década de 80 com discos como “Restless and Wild” (1982), “Balls To The Wall” (1983) e “Metal Heart” (1985). Agora com Mark Tornillo no vocal, a banda liderada por Wolf Hoffmann (guitarra), chega ao seu ‘quarto’ registro com o novo vocalista e vivendo intensamente sua ótima fase. Hoffmaan falou ao ARTE METAL sobre o novo disco “The Rise of Chaos” (2017, lançado aqui pela Shinigami Records), a fase atual, o mundo e outros assuntos pertinentes à banda.

Com “Blood of the Nations” (2010), “Stalingrad: Brothers in Death” (2012) e “Blind Rage” (2014) o Accept construiu uma trilogia inabalável. Como foi compor “The Rise of Chaos” após três trabalhos incontestáveis como os citados?
Wolf Hoffmann: Eu não chamaria isso de trilogia no sentido de que eles estão conectados uns com os outros. Cada álbum está completamente separado. E, como todos os nossos álbuns em quase quatro décadas, eles têm algo em comum e esse é um estilo de uma equipe de compositores - agora agregada pelas letras de Mark Tornillo – sendo que Deaffy ainda está muito próxima de tudo isso.

Aliás, o novo disco traz as características da banda, é claro, mas mostra uma pegada mais direta e mais objetiva. Você concorda com isso? O que explicaria isso?
Wolf: Não tenho certeza com o que você quer dizer em relação a "sensação direta e mais objetiva". Nós chegamos a um ponto - na realidade desde 2010 - que nós estamos cientes do que fazer e como nós fazemos isso, é o mote de toda a existência do Accept. Nada mudou em quatro décadas e, provavelmente, é o que deveríamos fazer e sabemos como fazer. Nos sentimos completos, bem sucedidos. A longa pausa nos provou - e também à gravadora e a quem trabalha conosco - que isso é quem somos, mostrando a nossa busca insana pela perfeição. E há muito mais vindo por ai!

Isso também se deve a banda estar consolidada em seu momento atual e se mostrar confortável com o sucesso dos trabalhos anteriores?
Wolf: Você confirma praticamente o que acabei de dizer. Estamos em um ótimo momento e ver tudo se juntar e retornar como era para os fãs é muito gratificante. Nós estamos realmente felizes!



Outra característica de “The Rise of Chaos” é a pegada mais Rock and Roll das músicas, algo bem ligado a forma direta mencionada anteriormente. O Accept sempre teve essa pegada, principalmente no início da carreira. Isso seria uma reaproximação ou influência dos primeiros discos?
Wolf: Se alguém pode influenciar-se... parece não ilógico. Nós fomos sempre muito retos e diretos ao ponto. Queremos chamar sua atenção - Agora!

Como em todo o disco do Accept, as guitarras ditam a sonoridade, sempre mantendo características de música clássica. Como é depois de tantos anos seguir essa linha sem soar repetitivo e como é compor dessa forma após todo esse tempo?
Wolf: Eu sou apenas um sortudo... é tão fácil para mim deixar a música fluir e a abordagem clássica é algo que eu até posso oprimir – mas está em mim.

A faixa título foi escolhida como o primeiro videoclipe. Por que a escolheram e como foi desenvolvido o trabalho de gravação do clipe?
Wolf: Na verdade, não víamos a hora de tocá-lo ao vivo e não queríamos ter uma produção enorme. Eu certamente queria isso de forma simples e direta e foi isso que fizemos. Não há nem o menor esforço para ocultar a simplicidade do set. Nós apenas tocamos.

Aliás, a música e o clipe descreve uma visão bem atual do mundo. Como você vê esse momento político conturbado do planeta, além de sua degradação cada vez mais rápida, seja pelo individualismo das pessoas, a luta de classes e a deterioração de nossos recursos e da natureza?
Wolf: Como eu vejo isso - é difícil de explicar. Que eu vejo isso é óbvio. Gaby e eu vivemos em um mundo muito realista e ela abriu a porta para que nós olhemos mais longe, mais profundo. Estou sensibilizado para nunca aceitar apenas um lado da moeda. caos poderia ser o segredo por trás da evolução, poderia ser a barreira da evolução. Caos pode ter resultados positivos e negativos. O que vemos agora, mais próximo e mais pessoal, é um caos que assusta, irrita e dificulta se concentrar em comportamentos positivos, tranquilos e estáveis. E ainda - eu confio na resiliência humana - podemos sair melhor do que chegamos. No entanto, o melhor em nós tem que assumir a liderança - de todos nós... cada um!

Bom, pelo menos temas pra escrever letras há de montes se a inspiração for o planet, certo?
Wolf: Sempre e se você seguir as letras do ACCEPT desde “Balls To The Wall” (1983) verá onde estávamos indo e nós estamos aqui e agora. Claro, temos Mark Tornillo agora e Deaffy decidiu que ele deveria ser o único com sua ótima maneira de usar a linguagem. Mas, ainda há muito do nosso espírito, seu espírito e Mark é ótimo para trabalhar nisso.

O disco marca a estreia de Christopher Williams (bateria, War Within) e Uwe Lullis (guitarra, ex-Grave Digger) em estúdio. Como foi trabalhar com eles dessa forma e o quanto eles contribuíram nas composições.
Wolf: Quando eu disse que temos um "manual" de 40 anos, uma tradição, eu quis dizer isso. E nem todo mundo vive com esta configuração e essa é uma razão pela qual nunca mudamos, não importa quem esteja à nossa volta.



O Accept se apresentou no Brasil em 2015 no festival Monsters of Rock. Na ocasião, no mesmo dia em que a banda tocou, Kiss, Judas Priest, Manowar, etc, se apresentaram. Estive presente neste dia e os comentários no público foram que a banda tinha feito o melhor show do dia. O que você lembra desse dia e como recebe estes comentários?
Wolf: Oh, o sonho de um músico! Nós adoramos e nos sentimos muito em casa. Não tenho o direito de comparar a performance com o desempenho. Claro que estamos orgulhosos de ouvir isso de você, mas cada uma dessas bandas foram fundamentais para tudo o que veio depois delas, então eu só posso dizer obrigado pela honra de ser mencionado aqui. Mas, o que posso dizer é que os fãs nos deram um tremendo impulso e sentimos a energia e o entusiasmo e aquilo nos incendiou. Foi especial para nós, sem dúvidas!

Agora a banda está prestes a se apresentar no Brasil no início de novembro. O que vocês esperam e o que o público pode esperar do Accept nestes shows?
Wolf: Somente o melhor. Mas, como eu disse, dependemos de 110% dos fãs, eles têm que surpreender os EUA e nós  podemos surpreendê-los! Espero, faço um acordo aqui.

Por fim, o Accept ressurgiu das cinzas com Mike Tornillo e com os quatro álbuns lançados nos últimos sete anos. Como é estar de volta e sentir a responsabilidade de ser (novamente) uma das maiores bandas de Heavy Metal do mundo?
Wolf: Nós tentamos chegar lá e é maravilhoso ter o apoio de todos os elementos que estão fazendo de nós “uma banda excelente". Não somos somente nós, nem mesmo os fãs, existem pessoas importantes iguais para nós, que nunca são vistas - especialmente no nosso caso, você sabe quem está por trás de nós - trabalhando implacavelmente e incansavelmente - e eu também. Você nunca está sozinho e eu sempre estive consciente disso.

Muito obrigado, foi uma honra fazer essa entrevista. Pode deixar uma mensagem para os leitores leitores.
Wolf: Ansioso para estar com nossos notáveis e selvagens fãs. Vamos sair de casa! Os vejo em breve!


Um comentário:

Shinigami Records