terça-feira, 28 de março de 2017

Indiscipline – “Sanguínea”

(2017 – Nacional)
                                          
Shinigami Records

Contando com Alice (vocal/baixo), Ale de La Veja (bateria) e a experiente Maria Fernanda Cals (guitarra, ex-Vociferatus, Melyra, Impacto Profano, etc), a Indiscpline surgiu em 2012 e curiosamente, além de uma demo (“In My Guts” de 2014), havia lançado somente um trabalho ao vivo, “Live At Toca” (2015).

A banda que mostrou qualidade antes mesmo de soltar o debut, fez com que o lançamento de seu primeiro disco oficial fosse aguardado, e finalmente agora os fãs e curiosos podem conferir em “Sanguínea” todo o potencial que a banda já demonstrava. Enfim, a encomenda saiu até melhor do que o esperado.

Afinal, o que temos em “Sanguínea” é uma mescla bem feita entre o Heavy Metal e o Hard Rock, onde melodia e agressividade se encontram em uma musicalidade que soa natural, sem forçar e cativa o ouvinte desde a primeira audição. Tudo com refrãos que ‘impregnam’ (no bom sentido) na cabeça e já trazem uma identificação imediata com os amantes de ambos os estilos.

O trabalho de guitarra de Maria Fernanda é um dos grandes destaques, até porque dá o peso necessário às músicas, sem tirar sua acessibilidade, além dos timbres muito bem escolhidos. A cozinha faz seu trabalho sem delongas, sendo que Alice mostra uma interpretação cheia de gana, equilibrada e sem exageros (e que voz privilegiada que ela tem).

Fear in Your Eyes, Burning Bridges, Losing My Mind, Higher e Poison são hits imediatos e mostram a capacidade da banda em criar músicas que contagiam. Uma leve ressalva para a produção do disco, que ficou a cargo de Felipe Eregion (Unearthly). Claro que a qualidade está acima da média, mas talvez algo mais polido e menos abafado combinasse melhor com a proposta da banda. No mais, que bela estreia.


8,5

Vitor Franceschini


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Shinigami Records